A parada, a cidade, a morte

Duisburgo espera amanhã mais de 10 000 pessoas para a cerimónia em homenagem às 21 vítimas mortais

Hoje pela primeira vez, depois da tragédia ocorrida durante a Love Parade, fui a Duisburg. Confesso que à medida que o combóio se aproximava da estação principal ía sentindo um friozinho pelo corpo todo.
O acidente deveu-se ao excesso de pessoas que tentavam aceder ao recinto do festival, através de um único túnel de acesso, que acabou por se transformar num túnel da morte. Enquanto milhares de pessoas se dirigiam à antiga estação ferroviária de Duisburg, local do festival, outros queriam voltar para casa pelo mesmo caminho. Em consequência do fluxo nas duas direcções, surgiu pânico entre a multidão.
Duisburg e seus 500 mil habitantes continum de luto pelas 21 vítimas que morreram de asfixia causada pelo esmagamento do tórax, segundo o resultado das autópsias.
Amanhã, 31 de Julho de 2010, serão prestadas as primeiras homenagens fúnebres às vitimas com uma cerimónia ecuménica na Salvatorkirche de Duisburg, nas quais também participará o Presidente da Alemanha, Christian Wulff, e a chanceler alemã Angela Merkel.
A Love Parade é a mais tradicional festa tecno do mundo, criada em Berlim, no ano de 1989, pelo DJ Dr. Motte, quando reunía apenas 150 ravers. No seu período áureo, no ano de 1999, a Love Parade chegou a contar com 1,5 milhão de participantes, permanecendo na capital alemã até 2007, altura em que, por questões económicas, se transferiu para a região do Vale do Ruhr, capital cultural da Europa 2010. Razão essa, porque o presidente da Câmara, Adolf Sauerland, estava sob grande pressão, e não queria ser o "estraga-festa", embora sabendo que a cidade de Duisburgo não era apropriada para receber a Love Parade. O ano passado, a festa foi cancelada em Bochum por ser uma cidade muito pequena e muito apertada – equivalente a Duisburg, em tamanho.
"Isto foi o fim da Love Parade", disse em conferência de imprensa na Câmara Municipal de Duisburgo Rainer Schaller, organizador da da festa tecno e gerente do principal patrocinador, a cadeia de centros de ginástica McFitt.
Foi o fim da Love Parade, contudo o tecno vai continuar a dominar a cena cultural pop de hoje.

Kommentare

  1. Uma noticia que chocou a Europa, e o mundo.
    Resta saber, quem autorizou um evento de tamanha escala num local com só uma saida.

    AntwortenLöschen
  2. Wäre das in Woodstock geschehen, wäre es vielleicht nie zu diese Art Massenveranstaltung gekommen.

    AntwortenLöschen
  3. Dieser Kommentar wurde vom Autor entfernt.

    AntwortenLöschen
  4. Desgraçadamente, neste país houve quem confundisse a Love Parade com um festival Gay!

    AntwortenLöschen

Kommentar veröffentlichen