Posts

Es werden Posts vom Juli, 2008 angezeigt.

Nein, ich vergesse dich nicht *** Rainer Maria Rilke

Bild
Nein, ich vergesse dich nicht, was ich auch werde, liebliches, zeitiges Licht, Erstling der Erde. Alles, was du versprachst, hat sie gehalten, seit du das Herz mir erbrachst ohne Gewalten. Flüchtigste frühste Figur, die ich gewahrte: nur weil ich Stärke erfuhr, rühm ich das Zarte.

"Sorriso" Poema de Isabel Cabral

Bild
Paulo Malheiro Dias Olhos de menina que um dia, o foram Deles nada me resta, alegres, profundos, Com um sorriso Que outrora foram sorriso na boca de meus pais. Já nem força nem sorriso. Olhos de criança que um dia o foram. São hoje, olhos tristes Sem rumo Sem saberem que caminho Hão-de seguir. Como eu queria Que esses olhos fossem Sorriso ainda na boca de meus pais Isabel Cabral

"Poeta" de Mariano Calado das Raízes de Maresia

Bild
Dizem que o poeta é um louco. _Talvez que sim, talvez não. Mas antes que não ou sim é-me sempre o coração. Que sinta, pois, os meus versos quem o quiser, ou puder, que, por mim, ou sim, ou não, sou nos versos que me der.

Poem of Emily Dickinson

We dream - it is good we are dreaming - It would hurt us - were we awake - But since it is playing - kill us, And we are playing - shriek - What harm? Men die - Externally - It is a truth - of Blood - But we - are dying in Drama - And Drama - is never dead - Cautious - We jar each other - And either - open the eyes - Lest the Phantasm - prove the mistake - And the livid Surprise Cool us to Shafts of Granite - With just an age - and name - And perhaps a phrase in Egyptian - It´s prudenter - to dream -

Solidao

Bild
Viver É bom? Pode ser bom Pode nao ser - Viver Alegre, Feliz, Ditosa Amando Um coracao Que é só Meu É bom É muito bom - Mas Viver só - Sem uma afeicao, Uma esperanca, Um carinho Que conforte O coracao E me bafeje o caminho É triste, Verdadeiramente triste -

Jacques Brel - Amsterdam

French original lyrics by Jacques Brel : Dans le port d'Amsterdam Y a des marins qui chantent Les rêves qui les hantent Au large d'Amsterdam Dans le port d'Amsterdam Y a des marins qui dorment Comme des oriflammes Le long des berges mornes Dans le port d'Amsterdam Y a des marins qui meurent Pleins de bière et de drames Aux premières lueurs Mais dans le port d'Amsterdam Y a des marins qui naissent Dans la chaleur épaisse Des langueurs océanes Dans le port d'Amsterdam Y a des marins qui mangent Sur des nappes trop blanches Des poissons ruisselants Ils vous montrent des dents A croquer la fortune A décroisser la lune A bouffer des haubans Et ça sent la morue Jusque dans le coeur des frites Que leurs grosses mains invitent A revenir en plus Puis se lèvent en riant Dans un bruit de tempête Referment leur braguette Et sortent en rotant Dans le port d'Amsterdam Y a des marins qui dansent En se frottant la panse Sur la panse des femmes Et ils tournent et ils dan
Bild

Paul Gerhardt

Befiehl du deine Wege und was dein Herze kränkt der allertreusten Pflege des, der den Himmel lenkt. Der Wolken, Luft und Winden gibt Wege, Lauf und Bahn, der wird auch Wege finden, da dein Fuß gehen kann.

Friedrich Schiller: Nänie von 1799

Auch das Schöne muß sterben! Das Menschen und Götter bezwinget, Nicht die eherne Brust rührt es des stygischen Zeus. Einmal nur erweichte die Liebe den Schattenbeherrscher, Und an der Schwelle noch, streng, rief er zurück sein Geschenk. Nicht stillt Aphrodite dem schönen Knaben die Wunde, Die in den zierlichen Leib grausam der Eber geritzt. Nicht errettet den göttlichen Held die unsterbliche Mutter, Wann er, am skäischen Tor fallend, sein Schicksal erfüllt. Aber sie steigt aus dem Meer mit allen Töchtern des Nereus, Und die Klage hebt an um den verherrlichten Sohn. Siehe! Da weinen die Götter, es weinen die Göttinnen alle, Daß das Schöne vergeht, daß das Vollkommene stirbt. Auch ein Klaglied zu sein im Mund der Geliebten ist herrlich; Denn das Gemeine geht klanglos zum Orkus hinab. "Nänie" (nenia) war im antiken Rom der Klagegesang, mit dem das Andenken Toter verherrlicht wurde. Friedrich Schiller benutzte den Begriff als Titel des 1800 erstmalig erschienenen Gedichts „Nänie

Düsseldorf - Ein Alptraumsommer

Im feuchtkalten Monat Juli wars es regnete seit Wochen da wollt ich mir, früh morgens noch ein Teewasser aufkochen. Doch wehe! schon war der Kocher kaputt (ich hatte ihn grad erst zwei Wochen) und also fing, statt des Wassers für Tee ich selbst an gehörig zu kochen. Flugs fuhr ich zum Laden. Der Schwengel dortselbst erbleichte bis fast zu den Knochen als ich zu ihm sagte: "Nanu, guter Mann: Ihre Ware ist jetzt schon zerbrochen!" Er murmelte etwas von "Garantie" und dass es die hierfür nicht gebe doch dann wies er mir grämlich ein and'res Modell und wünschte mir wohl dass ich lebe. Ich stürmte nach Haus. Doch was dann dort geschah das sträubt sich die Feder zu schreiben: das neue Modell war schon wieder im A...! Da konnte es keinesfalls bleiben. Ich wieder zurück! (Dieses Mal auf dem Rad!) Und ich hatte noch nicht ausgesprochen da gab der Genervte mir schon 20 Mark. (Das war auch der Preis vor zwei Wochen.) Ich wandte mich heimwärts. 's war immer noch k
Bild
Das schönste Denkmal, das ein Mensch bekommen kann, steht in den Herzen der Mitmenschen.

Num bairro moderno de Cesário Verde

Dez horas da manhã; os transparentes Matizam uma casa apalaçada; Pelos jardins estacam-se as nascentes, E fere a vista, com brancuras quentes, A larga rua macadamizada. Rez-de-chaussée repousam sossegados, Abriram-se, nalguns, as persianas, E dum ou doutro, em quartos estucados, Ou entre a rama dos papéis pintados, Reluzem, num almoço, as porcelanas. Como é saudável ter o seu aconchego, E a sua vida fácil! Eu descia, Sem muita pressa, para o meu emprego, Aonde eu agora quase sempre chego Com as tonturas duma apoplexia. E rota, pequenina, azafamada, Notei de costas uma rapariga, Que no xadrez marmóreo duma escada, Como um retalho de horta aglomerada, Pousara, ajoelhando, a sua giga. E eu, apesar do sol, examinei-a: Pôs-se de pé; ressoam-lhe os tamancos; E abre-se-lhe o algodão azul da meia, Se ela se curva, esguedelhada, feia, E pendurando os seus bracinhos brancos. Do patamar responde-lhe um criado: «Se te convém, despacha; não converses. Eu não dou mais.» E muito descansado, Atir

A maior Flor do Mundo pelos olhos das criancas

Add Fundacao Jose Saramago's channel to your page

Falam as escolas em ruínas

A alma da infância é um passarinho; Gorjeia o ninho e a escola chora: Na infância cai a noite; e o ninho Tem sobre as plúmulas d'arminho A aurora. A alma da infância é flor mimosa; A escola é triste e a flor vermelha: Na escola paira a c'ruja odiosa, E sobre o cálice da rosa A abelha. Tu fazes, Pátria, as almas cegas, Prendendo a infância num covil. Aves não cantam nas adegas; Se a infância é flor, porque lhe negas Abril ? ! Guerra Junqueiro em Patria, 1890

Sommer in Westerland

Bild
Bild

Amor de Pablo Neruda

Mujer, yo hubiera sido tu hijo, por beberte la leche de los senos como de un manantial, por mirarte y sentirte a mi lado, y tenerte en la risa de oro y la voz de cristal. Por sentirte en mis venas como Dios en los ríos y adorarte en los tristes huesos de polvo y cal, porque tu ser pasara sin pena al lado mío y saliera en la estrofa --limpio de todo mal--. ¡Cómo sabría amarte, mujer cómo sabría amarte, amarte como nadie supo jamás! Morir y todavía amarte más. Y todavía amarte más.

Que Vivan las Mujeres - Miguel Bose

Fado Portugues de José Régio

O fado nasceu um dia, quando o vento mal bulia e o céu o mar prolongava, na amurada dum veleiro, no peito dum marinheiro, que, estando triste, cantava, que, estando triste, cantava. Ai, que lindeza tamanha, meu chão, meu monte, meu vale, de folhas, flores, frutas de oiro, vê se vês terras de Espanha, areias de Portugal, olhar ceguinho de choro. Na boca dum marinheiro do frágil barco veleiro, morrendo a canção magoada, diz o pungir dos desejos do lábio a queimar de beijos que beija o ar, e mais nada, que beija o ar, e mais nada. Mãe, adeus. Adeus, Maria. Guarda bem no teu sentido que aqui te faço uma jura: que ou te levo à sacristia, ou foi Deus que foi servido dar-me no mar sepultura. Ora eis que embora outro dia, quando o vento nem bulia e o céu o mar prolongava, à proa de outro veleiro velava outro marinheiro que, estando triste, cantava, que, estando triste, cantava. Este poema do José Régio é para si, Renard, para nao esquecer Vila do Conde, lá nessa cidade fantástica, qu

Léo Ferré et Aragon - L´affiche rouge (Gilles Droulez)

Por sugestao da Renard quis publicar este vídeo aqui, mas nao estava disponível. A Renard teve, entao, a gentileza de o colocar no blogue dela. Quando o ouvi fiquei de tal maneira fascinada, que nao fugi à tentacao de o trazer para aqui. Boa viagem, querida Renard! Londres é uma das minhas cidades queridas. Vivi aí um ano como "au pair" e adorei. A comida e os homens ingleses nao sao tao maus como tem fama.
Der griechischer Staatsmann Perikles, gestorben 429 v. Ch., sagte: Das Geheimnis des Glücks ist die Freiheit, das Geheimnis der Freiheit aber ist der Mut.

Poema de Louis Aragon

Vous n'avez réclamé la gloire ni les larmes Ni l'orgue ni la prière aux agonisants Onze ans déjà que cela passe vite onze ans Vous vous étiez servi simplement de vos armes La mort n'éblouit pas les yeux des Partisans Vous aviez vos portraits sur les murs de nos villes Noirs de barbe et de nuit hirsutes menaçants L'affiche qui semblait une tache de sang Parce qu'à prononcer vos noms sont difficiles Y cherchait un effet de peur sur les passants Nul ne semblait vous voir français de préférence Les gens allaient sans yeux pour vous le jour durant Mais à l'heure du couvre-feu des doigts errants Avaient écrit sous vos photos MORTS POUR LA FRANCE Et les mornes matins en étaient différents Tout avait la couleur uniforme du givre À la fin février pour vos derniers moments Et c'est alors que l'un de vous dit calmement Bonheur à tous Bonheur à ceux qui vont survivre Je meurs sans haine en moi pour le peuple allemand Adieu la peine et le plaisir Adieu les roses

Ana Canas * Coracao Vagabundo

A música brasileira nao é a música da minha vida. O que me atraíu foi o Coracao Vagabundo. O meu coracao é vagabundo também, absolutamente vagabundo.

Antes das Palavras de Vasco Gato

Hesito muito antes da palavra. porque um precipício se abre nela e não tem sentido, vibra apenas. porque pode ser a morte ou o nascimento para um lugar de cores e fadas e barcos de sol. Porque me doem as mãos cada vez que tento segurar o mundo em traços redondos quadrados. Por isso te digo: hesito e morro e nasço. e corro para a rua com a força de quem vai anunciar gritar chamar dizer. Mas lá fora sorrio apenas enquanto caminho para um banco de jardim, devagarinho, como se por um momento eu soubesse o nome de tudo e tudo tivesse o mesmo nome.

Richard Wagner Lohengrin

The Famous Bridal Chorus by Richard Wagner from his Romantic Opera Lohengrin composed in 1848. Also known as the Wedding March or simply as - Here comes the Bride. This well known wedding processional march is played here on Technics electronic PR60 Keyboard in synthesised church organ mode by Transgendered Musician - Denise Hewitt - wearing full white lace wedding costume, tiara and veil. In Lohengrin, the wedding party sing: Faithfully guided, draw near to where the blessing of love shall preserve you! Triumphant courage, the reward of love, joins you in faith as the happiest of couples! Champion of virtue, proceed! Jewel of youth, proceed! Flee now the splendour of the wedding feast, may the delights of the heart be yours! This sweet-smelling room, decked for love, now takes you in, away from the splendour. Faithfully guided, draw now near to where the blessing of love shall preserve you! Triumphant courage, love so pure, joins you in faith as the happiest of couples! In Lohengri

Pedra Filosofal - António Gedeao

Bild
Eles não sabem que o sonho é uma constante da vida tão concreta e definida como outra coisa qualquer, como esta pedra cinzenta em que me sento e descanso, como este ribeiro manso, em serenos sobressaltos como estes pinheiros altos que em verde e ouro se agitam como estas aves que gritam em bebedeiras de azul. Eles não sabem que o sonho é vinho, é espuma. é fermento, bichinho alacre e sedento. de focinho pontiagudo, que fossa através de tudo num perpétuo movimento. Eles não sabem que o sonho é tela, é cor, é pincel,base, fuste, capitel. arco em ogiva, vitral, pináculo de catedral, contraponto, sinfonia, máscara grega, magia, que é retorta de alquimista, mapa do mundo distante, rosa dos ventos, Infante, caravela quinhentista, que é Cabo da Boa Esperança ,ouro, canela, marfim, florete de espadachim, bastidor, passo de dança. Colombina e Arlequim, passarola voadora, para-raios, locomotiva, barco de proa festiva, alto-forno, geradora, cisão do átomo, radar, ultra som televisão desembarque e

Poema para o século XXI

Uma parte de mim pertence à França e sou de Roma e Grécia e de Veneza haverá sempre em mim um outro céu Um Ulisses que busca e não se cansa. Onde começa o mar começo eu começa a viagem e a festa da tristeza. Um eco na Abadia: eis a Inglaterra. Não sei se Lorelei me traz a Alemanha nem se Natasha a Rússia da paixão. Não sei se tenho o mundo por herança Só sei que Portugal é a minha terra e a minha pátria é onde a alma alcança e todas as nações minha nação. Manuel Alegre

Pecado Original - José Régio

Sim, Mãe! sim, muita vez te vi chorar, Sem desistir de te fazer sofrer. Gozava então nem sei que atroz prazer De te arranhar no peito... e me arranhar. Mas quis lutar comigo, Mãe! lutar Contra esse monstro obscuro do meu ser. Que sonho, Mãe!: ter-me eu em meu poder, Talhar-me bom, feliz, simples, vulgar... Mãe! com que força vi que era impotente! ... Porque de bem mais longe e bem mais fundo A culpa do meu ser a nós dois veio. Perdoemos um ao outro, humildemente: Eu, Mãe! — ter-me o teu seio dado ao mundo; Tu, — ter-me eu feito vida no teu seio.

Düsseldorf von oben erleben: Fahren Sie auf den Fernsehturm und genießen Sie bei schönen Wetter den Blick über die Stadt!

Bild

Regresso - Manuel Alegre

Bild
E contudo perdendo-te encontraste. E nem deuses nem monstros nem tiranos te puderam deter. A mim os oceanos. E foste. E aproximaste. Antes de ti o mar era mistério. Tu mostraste que o mar era só mar. Maior do que qualquer império foi a aventura de partir e de chegar. Mas já no mar quem fomos é estrangeiro e já em Portugal estrangeiros somos. Se em cada um de nós há ainda um marinheiro vamos achar em Portugal quem nunca fomos. De Calicute até Lisboa sobre o sal e o Tempo. Porque é tempo de voltar e de voltando achar em Portugal esse país que se perdeu de mar em mar.

Todas as cartas de amor são ridículas

Todas as cartas de amor são Ridículas. Não seriam cartas de amor se não fossem Ridículas. Também escrevi em meu tempo cartas de amor, Como as outras, Ridículas. As cartas de amor, se há amor, Têm de ser Ridículas, Mas, afinal, Só as criaturas que nunca escreveram Cartas de amor É que são Ridículas. Quem me dera no tempo em que escrevia Sem dar por isso Cartas de amor Ridículas. A verdade é que hoje As minhas memórias Dessas cartas de amor É que são Ridículas. (Todas as palavras esdrúxulas, Como os sentimentos esdrúxulos, São naturalmente Ridículas). Álvaro de Campos

Poema de Ricardo Reis

Bild
Só o ter flores pela vista fora Nas áleas largas dos jardins exatos Basta para podermos Achar a vida leve. De todo o esforço seguremos quedas As mãos, brincando, pra que nos não tome Do pulso, e nos arraste. E vivamos assim, Buscando o mínimo de dor ou gozo, Bebendo a goles os instantes frescos, Translúcidos como água Em taças detalhadas, Da vida pálida levando apenas As rosas breves, os sorrisos vagos, E as rápidas carícias Dos instantes volúveis. Pouco tão pouco pesará nos braços Com que, exilados das supernas luzes, ‘Scolherrnos do que fomos O melhor pra lembrar Quando, acabados pelas Parcas, formos, vultos solenes de repente antigos, E cada vez mais sombras, Ao encontro fatal Do barco escuro no soturno rio, E os nove abraços do horror estígio, E o regaço insaciável Da pátria de Plutão.

Em todos os jardins - Sophia de Mello Breyner Andresen

Em todos os jardins hei-de florir, Em todos beberei a lua cheia, Quando enfim no meu fim eu possuir Todas as praias onde o mar ondeia. Um dia serei eu o mar e a areia, A tudo quanto existe me hei-de unir, E o meu sangue arrasta em cada veia Esse abraço que um dia se há-de abrir. Então receberei no meu desejo Todo o fogo que habita na floresta Conhecido por mim como num beijo. Então serei o ritmo das paisagens, A secreta abundância dessa festa Que eu via prometida nas imagens

Poema de Florbela Espanca

Bild
Imagem da net No divino impudor da mocidade, Nesse êxtase pagão que vence a sorte, Num frémito vibrante de ansiedade, Dou-te o meu corpo prometido à morte! A sombra entre a mentira e a verdade... A nuvem que arrastou o vento norte... - Meu corpo! Trago nele um vinho forte: Meus beijos de volúpia e de maldade! Trago dálias vermelhas no regaço... São os dedos do sol quando te abraço, Cravados no teu peito como lanças! E do meu corpo os leves arabescos Vão-te envolvendo em círculos dantescos Felinamente, em voluptuosas danças...

The Graduate

Bild
Tristes, as mulheres que nao sabem envelhecer! "Alter ist nichts für Feiglinge" Mae West

Frühjahrsmüdigkeit

Bild

Os putos de José Carlos Ary dos Santos

Uma bola de pano, num charco Um sorriso traquina, um chuto Na ladeira a correr, um arco O céu no olhar, dum puto. Uma fisga que atira a esperança Um pardal de calções, astuto E a força de ser criança Contra a força dum chui, que é bruto. Parecem bandos de pardais à solta Os putos, os putos São como índios, capitães da malta Os putos, os putos Mas quando a tarde cai Vai-se a revolta Sentam-se ao colo do pai É a ternura que volta E ouvem-no a falar do homem novo São os putos deste povo A aprenderem a ser homens. As caricas brilhando na mão A vontade que salta ao eixo Um puto que diz que não Se a porrada vier não deixo Um berlinde abafado na escola Um pião na algibeira sem cor Um puto que pede esmola Porque a fome lhe abafa a dor.

DOURO

Fotos tiradas no Douro no verão de 2007 em Portugal. No início um poema de Miguel Torga, em homenagem aos seus 100 anos. Música de Rodrigo Leão - Noche

Poema de Eugénio de Andrade

Havia uma palavra no escuro. Minúscula. Ignorada. Martelava no escuro. Martelava no chão da água. Do fundo do tempo, martelava. contra o muro. Uma palavra. No escuro. Que me chamava.

Poema de Eugénio de Andrade

Bild
Teresa Hoffbauer Havia uma palavra no escuro. Minúscula. Ignorada. Martelava no escuro. Martelava no chão da água. Do fundo do tempo, martelava. contra o muro. Uma palavra. No escuro. Que me chamava.
Paulo Gonzo & Olavo Bilac - Jardins Proibidos - The funniest bloopers are right here Quando amanheces, logo no ar, Se agita a luz, sem querer, E mesmo dia, vem devagar, Para te ver. E, já rendido, ve-te chegar, Desse outro mundo, só teu, Onde eu queria entrar um dia, Pr'a me perder. Pr'a me perder, nesses recantos Onde tu andas, sozinha sem mim, Ardo em Ciúme desse jardim, Onde só vai quem tu quiseres, Onde és senhora do tempo sem fim, Por minha cruz, jóia de luz, Entre as mulheres. Quebra-se o tempo, em teu olhar, Nesse gesto, sem pudor, rasga-se o ceu, e lá vou eu, Pr'a me perder Pr'a me perder, nesses recantos Onde tu andas, sozinha sem mim, Ardo em ciúme desse jardim, Onde só vai quem tu quiseres, Onde és senhora do tempo sem fim, Por minha cruz, joia de luz, Entre as mulheres.