Jo Nesbø: Ciúmes



“Oh, beware, my lord, of jealousy;
It is the green-ey’d monster, which mock the
meat it feeds on.”
William Shakespeare, Othello


Tal como acontece com tantas emoções humanas, William Shakespeare já disse tudo o que há para saber sobre o ciúme. E como ele transmite isso! A sua tragédia »Otelo« tem cativado milhões de espectadores por horas a fio desde 1603, dando a jovens e velhos, ricos e pobres, emoções iguais, espanto e comoção.
O que o ciúme faz com uma pessoa? O que pode desencadear esse sentimento?
Quais são as ações que o ciúme pode levar alguém a fazer?
Alguns consideram o ciúme prova de amor, mas a maioria considera o ciúme puramente diabólico.
Essas são as questões que Jo Nesbø explora nos sete contos de maneiras muito diferentes.
O mais longo é simplesmente chamado de »Ciúme« 
O investigador ateniense Nikos Balli, que é especialista no motivo de assassinato por ciúme investiga na ilha de Kalymnos o desaparecimento de Julian. Ele e o seu irmão gémeo Franz estão apaixonados pela mesma mulher e desde que a discussão começou, Julian desapareceu... Balli enfrenta uma situação complicada e também é assombrado pelo seu próprio passado.

Antes de mergulhar na obra de Jane Austen, terminei de ler o último livro do escritor e músico norueguês Jo Nesbø, que nasceu em Oslo em 1960 e é considerado um dos escritores policiais de maior sucesso do mundo. Com os livros da série protagonizada pelo inspetor Harry Hole conseguiu um sucesso invejável quer no seu país de origem quer a nível internacional, recebendo elogios da crítica e do público.  É traduzido em mais de 40 línguas, recebeu vários prémios literários e muitos dos seus livros atingiram os tops de vendas.  Em Fevereiro de 2013 o Parlamento norueguês atribuiu-lhe o Peer Gynt Prize, que premeia uma personalidade ou instituição que se tenha distinguido na sociedade e tenha contribuído para valorizar a reputação da Noruega a nível internacional.

Kommentare

  1. Interessante, acredito, mas não dado a romances policiais.

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Anonym9/02/2022

      Ao contrário dos seus romances policiais de Harry Hole, o estilo de escrita de Jo Nesbø em »Ciúme« é muito mais literário, o que o formato do conto também exige. O conteúdo de algumas histórias tem enorme profundidade e qualidade literária.

      Löschen
    2. O que quis dizer "não sou dado a romances policiais" no entanto, pelo que diz, teria interesse em ler. Julgo que esse título não existe em português.

      Löschen
    3. Anonym9/02/2022

      Também não sou dada a romances policiais, embora adore os filmes “neo-noir”.
      O olhar para os abismos humanos é onipresente e sublinha o efeito das histórias
      muitíssimo originais. Vale muito a pena ler »Ciúme«

      Löschen
  2. Registo a sugestão.
    Não conheço o autor.
    Bfds

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Anonym9/02/2022

      Ele é mais conhecido pela sua série de crimes sobre o investigador Harry Hole.
      Somente na área de língua alemã, os seus livros venderam mais de seis milhões de cópias.

      Löschen
  3. Nunca li policiais noruegueses mas tenho visto séries que se podem incluir no género e gosto muito.

    Abraço

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Anonym9/02/2022

      A maioria das séries escandinavas são baseadas em romances de autores nórdicos.
      »Ciúme« é o segundo livro que leio de Jo Nesbø, mas vi todos os filmes baseados
      nos seus romances. Nos momentos mais brutais, fecho os olhos

      Löschen
  4. Não conheço este autor, Teresa...

    Forte abraço!

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Anonym9/02/2022

      Jo Nesbø estudou economia e análise financeira, trabalhou como corrector de ações e jornalista.
      Além disso, foi vocalista e compositor da banda pop Di Derre.
      “Ciúme” é o policial mais “light” da bibliografia de Jo Nesbø.

      Löschen
  5. Passando ao lado das obras, por mera ignorância... falemos do ciúme... uma pontinha dele, reforça o amor. Um excesso, produz ruptura. Como qualquer sentimento, precisa de equilibro. Concluindo: .sentimentos equilibrados serão sempre tema pouco aliciante para obra literária...

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Anonym9/03/2022

      O tema desta publicação é realmente o ciúme, Rogério.

      "Mantenha-se, senhor, do ciúme, a besta de olhos verdes que contamina a comida que nutre."
      William Shakespeare, Jago em Otelo III,3

      O sentimento ou pensamento de insegurança, medo e preocupação de que o parceiro ou outro significativo possa ter demonstrado afeição por um terceiro pode levar uma pessoa a agir irracionalmente. É precisamente esta tese que Jo Nesbø persegue com as suas pequenas mas inteligentemente concebidas histórias, porque afinal o ciúme é o motivo mais comum para o homicídio

      Löschen
  6. Jo Nesbo é um grande contador de “estórias”. Se bem me lembro, a Teté lia muitos dos seus livros.
    Eu tenho apenas dois, por acaso de capa dura, ou que me ofereceram depois de os terem lido, ou os comprei na biblioteca. Não sei se as vossas bibliotecas vendem livros, as nossas põem à venda, periodicamente, muitos livros a preços muito, muito baixos. São eles “The Son” e “The Midnight Sun”. Há anos que estão na estante e ainda não os li. Tive a fase dos livros policiais, mas quando comecei a ler os policiais de alguns escritores escandinavos, achei as suas descrições demasiado violentas para o meu gosto.

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Anonym9/03/2022

      Ruth Rendell, — a perfeita contadora de histórias, nessas histórias, as personagens masculinas são especialmente conseguidas, exemplo disso, a figura do inspector-chefe Reginald Wexford, que surge em grande parte dos seus romances, assim como a do inspector Michael Burden — era leitura obrigatória da Teté.

      Em 2011 li Kakerlakkene (Baratas), o segundo caso do inspector Harry Hole, um alcoólico em recuperação. O inspector Harry Hole mergulha num ambiente de pedófilos, de prostitutas, da mafia e das piores de todas as baratas (Kakerlakkene) — os políticos.

      Um livro com histórias de crimes sobre o tema ciúme. Jo Nesbø consegue uma escrita sutil, atraente, original e graças a Deus ele nos poupa de orgias de sangue.

      Löschen
  7. Anotei as sugestões.
    Há dias, numa livraria peguei em "Orgulho e Preconceito" (Porto Editora, 2022) e não, ainda não foi desta que comprei um romance da Jane Austen.
    Para já vou mergulhar num mar azulinho. Talvez no outono eu mergulhe na obra da Jane.
    Beijo Teresa daí. Bom fim-de-semana.💚

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Anonym9/03/2022

      O romance mais famoso de Jane Austen, "Orgulho e Preconceito", publicado em 1813, coroou o início da carreira da autora inglesa e garantiu-lhe um lugar nos anais da literatura mundial.

      Amanhã começo a ler a tradução alemã e ao mesmo tempo a trabalhar na minha apresentação para o encontro do Círculo Literário no fim de setembro.

      Mergulha no mar azulinho 🌊 e sê muito feliz, Teresa!!

      Löschen
  8. Confesso que nunca li os livros de Jo Nesbo, embora goste de policiais, uma lacuna que tenho de colmatar.
    Mas ao ler sobre o ciúme, recordei-me de um outro ciúme: Chabrol e a sua película "O Inferno" / "L'enfer" com a Emmanuelle Béart e o François Cluzet.
    Desejo-lhe um bom domingo!
    Muito boa tarde!

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Teresa Palmira Hoffbauer9/06/2022

      CIÚME — O INFERNO DO AMOR POSSESSIVO:
      O Chabrol Clássico é um dos melhores filmes sobre ciúme patológico.
      Interpretações fabulosas da bela Emmanuelle Béart e do François Cluzet.

      Löschen

Kommentar veröffentlichen

Beliebte Posts aus diesem Blog

Toni Morrison 1931–2019

ANDREAS SCHMITTEN ESCULTURAS