NOITE DE CONSOADA

A noite pôs-se glacial, o céu coalhou-se de estrelas, e no pequeno largozinho arde já a grande fogueira que enche tudo em volta de luzes fantasmagóricas. Espreita-se pela janela, porque o frio é de cortar os ossos, e dentro, nas lareiras, arde um fogo bom de torgas e pinhas. A ceia não tarda, e entretanto bebe-se um cálice de vinho fino, para mais atiçar o apetite.
Sentados à grande mesa, todos riem e galhofam, mas eis que chega o esperado e fiel amigo, e faz-se então o silêncio das grandes ocasiões. Enchem-se os pratos desta delícia e é uma refeição inteira, que para ser a preceito apenas se completa com os doces tradicionais desse dia e as frutas secas que também é de uso petiscar — os figos, as passas de uva, as peras e as ameixas, a noz e a avelã, a amêndoa e o pinhão —, depois do vinho de mesa, fazem boca para os vinhos mais apaladados, que no Alto Douro são de se lhe tirar o chapéu.
A ementa assim concebida, sem fugir ao conceito do dia de jejum, eis o que nesta noite reúne em torno da acolhedora mesa familiar os parentes e os amigos próximos. É uma refeição festiva, a grande ceia da consoada, em que cada um se desforra conforme pode e as circunstâncias lhe permitem. A fumegar, entra a travessa com o fiel amigo e todos os que em solene corte o acompanham. Com a sua presença reconfortam-se as almas de um calor amável e os olhos brilham para a bela aparição. No açafate, rescende o pão de trigo alvo, e os copos, à transparência alegre do vidro, os vinhos ganham cores e reflexos de magia. Sobre a alvura da toalha tudo resplandece do mesmo ar festivo.
É um quadro admirável.

Manuel Mendes "Douro"

Kommentare

  1. São sempre deliciosas estas narrativas!

    Aquele abraço

    AntwortenLöschen
  2. Uma narrativa não muito diferente do que se vive na consoada, um pouco por todo o país... :)

    Beijocas e continuação das melhoras!

    AntwortenLöschen

Kommentar veröffentlichen