Gosto. Ponto.

 
Gosto de viver num país em que um homossexual é o Ministro dos Negócios Estrangeiros e vice-chanceler do Governo, Guido Westerwelle, que ao assumir-se como homossexual deu um contributo para a normalização do estatuto dos homossexuais na Alemanha.
 
Gosto de viver num país em que um asiático é o Ministro da Economia e Tecnologia e o presidente do Partido Democrata Liberal (FDP), Philipp Rösler, tem origem vietnamita.
 
Gosto de viver num país em que uma mulher é a chanceler federal, a democrata-cristã Angela Merkel.

Não escrevi este texto para elogiar a política de austeridade da chanceler federal, a democrata-cristã Angela Merkel, escrevi-o sim, para elogiar a tolerância que reina no país onde vivo e que amo de todo o meu coração.

Kommentare

  1. E, como o que é do gosto regala a vida, fico contente por teres uma vida regalada, Emantejoca! Qual é o problema?
    Vives num belo país, não por obrigação, mas sim por opção, estás de acordo com o sistema político vigente e és feliz com a família que aí constituíste, só por isso já deves dar Graças à Vida!:)

    Abraço, daqui, da cidade que (também) amas!

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Uma vida regalada não levo, Janita!
      Se tivesse casado em Portugal tinha agora uma empregada doméstica ou até duas, apesar da crise, enquanto que aqui sou eu a empregada doméstica da minha família, embora todos me procurem ajudar, só que não fazem as coisas da maneira que eu gosto.

      Claro que sou feliz e dou graças à vida!

      Aproveito a oportunidade para te dizer, que nunca deixei de confiar em ti.

      Abraço, daqui, para a cidade que tanto amo.

      Löschen
  2. Apesar do PM de Portugal ser um Coelho de má raça e de não saber se há algum homossexual no Governo gosto muito do meu país! :)
    Mesmo que houvesse um homossexual ou lésbica no Governo desde que fosse eficiente no seu cargo qual era o problema?
    Ainda bem que te sentes feliz aí!

    Abraço

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Também eu amo a minha pátria, Rosa dos Ventos, e nunca aceitei a nacionalidade alemã, no entanto, gosto de viver num país livre de convenções como a Alemanha.

      Abraço também para ti.

      Löschen
  3. Também eu sentiria o mesmo orgulho por esses factos (aí, aqui, ou em qualquer lado), não propriamente por eles, mas sim por todo um Povo que aceita essas situações como absolutamente normais ! Esse povo está certíssimo e eles têm esse direito à diferença e aos cargos, desde que eficientes e honestos !
    Como eu gostaria de ver tolerância, a todos os níveis, à minha volta !!! ... :)))

    Beijinho, Té ! :)))
    .

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. É isso mesmo, Rui!

      A tolerância que encontro aqui, nunca a encontrei em Portugal.

      A minha família era muito liberal, mas não eram os outros.

      Beijinhos também para ti.

      Löschen
  4. A nossa “Premier” (do Ontário) é gay! E quando foi eleita, fartaram-se de apregoar que era a primeira gay (não se usa muito o termo lésbica) neste cargo. Desnecessariamente mas o sensacionalismo vive em qualquer lado.
    Também temos um político português gay... não me recordo de momento do nome dele.

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Na Alemanha não se trata de sensacionalismo, mas sim, de tolerância, Catarina.

      Claro que temos políticos portugueses que são homossexuais, um deles é o Paulo Portas, só que não se assumem.

      Löschen
    2. O Canadá tb é um país tolerante - há quem não goste do termo tolerância por ter conotação condescendente - , só que no caso da “premier” aproveitaram para sensacionalizar o facto de ser a primeira premier gay a ser eleita.
      O político português a que me referia é de Toronto.

      Löschen
  5. Tudo bem, mas daí a querer dominar a Europa pela finança já que o seu tetravô Adolf não conseguiu pelas armas e pela genocídio, é muito mau!

    AntwortenLöschen
  6. O teu e o meu tetravô era o SALAZAR e nós não somos FACISTAS!!!

    Felizmente, que aqui na Alemanha ninguém me acusou do nosso genocídio ao povo africano.

    O pai da Angela Merkel era comunista, tendo abandonado Hamburgo com a família para ir viver para a Alemanha Oriental, daí ela ser muito mais social do que o candidato da SPD, Peer Steinbrück.

    Mesmo que sejam os socialistas ou ate os comunistas a governar a Alemanha a partir do dia 22 de Setembro de 2013, a Grécia, Portugal e Co. têm de pagar as suas dívidas. O socialista francês diz exactamente o mesmo.

    Temos diferentes pontos de vista, Graça, o que é próprio de uma democracia.

    AntwortenLöschen
  7. Foi o que entendi!
    Aliás Portugal é um país muito mais tolerante nos tempos que correm...quando saíste de cá talvez não...
    Temos evoluído muito nesse sentido!
    Eu sinto-o!


    Abraço

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Escrevi este texto por causa da perseguição de Putin aos homossexuais, no entanto, este tema também continua aí tabu, ou pelo menos, no seio dos meus amigos e familiares portugueses.

      Um jovem familiar até queria escrever um artigo com o título:

      "A Teresinha e os homossexuais".

      Se há tanta tolerância no nosso país, porque é que o Paulo Portas não assume que é homossexual?

      Abraço também para ti, Rosa dos Ventos!

      Löschen
    2. Também acho que Portugal evoluiu nesse sentido mas tb tenho constatado que muita gente ainda usa expressões de cariz preconceituosa e contam anedotas tipo racista! : )

      Löschen
    3. Está claro, Catarina, que aqui também há muita gente que usa expressões de cariz preconceituosa e contam anedotas tipo racista, só que não fazem parte dos meus familiäres e amigos alemães; enquanto que os meus familiäres e amigos portugueses são conservadores até à medula.

      Neste post, como já disse à Rosa dos Ventos, estava-me a referir à política de Putin, que persegue os homossexuais sem dó nem piedade.

      Löschen

Kommentar veröffentlichen