À sombra da crise europeia

Na cúpula do G8, realizada em Camp David, residência de verão do presidente norte-americano, Angela Merkel tem a difícil missão de defender a sua estratégia de combate à crise combinando austeridade e impulsos para o crescimento económico.
A reunião foi iniciada na noite de sexta-feira (18/05) com um jantar, durante o qual o tema principal foi a crise da dívida do euro e a fraca conjunctura económica mundial.
A crise no governo grego, a protecção do clima, a luta contra a fome e a situação na Síria também estão na agenda.

Entretanto, 25 mil manifestantes protestaram em Frankfurt, no centro bancário da Alemanha, contra o poder dos bancos e da política de austeridade nos países europeus, afirmando que esta política de empobrecimento de toda a Europa não está sendo feita em nome do povo alemão.

Kommentare

  1. Nem do povo alemão, nem dos europeus...
    Krugman, Stiglitz e tantos outros têm-se cansado de dizer que a austeridade e o modelo que está a ser seguido serão a ruína da Europa

    AntwortenLöschen
  2. Nem em nome do povo alemão, nem de nenhum outro povo, como o Carlos bem diz! A missão da Merkel é difícil, sim, porque esta política já não convence ninguém...

    Uma beijoca, Teresa!

    AntwortenLöschen
  3. Este deve ter sido um dos fins de semana mais complicados que Merkel viveu.
    Pressiona internamente, pressionada na reunião do G8, não deve ter sido muito divertido.

    AntwortenLöschen
  4. e ficam brigando se querem a grécia ou não no grupo. um país q agoniza e todos discutindo política. ficou lindo o layout. beijos, pedrita

    AntwortenLöschen

Kommentar veröffentlichen