Esta é a vida: aqui e agora.


Anseio por carícias,
por extensões de mares e de areias ilimitadas,
por flores flamejantes
como as que nascem do amor em brasa.

Trago no sangue a poesia selvagem 
da alma lusitana.
Sinto no sangue essa paixão crestada de sol.

Há uma lágrima trémula, 
chamada saudade, suspensa, 
como uma maravilha temerosa, nos meus olhos.

O anel da eternidade
Esse anel de ouro branco, esse pequeno círculo de ouro pálido
Esse precioso anel de um amor imorredouro, brilha 
contra a pele alvíssima do meu dedo. 

No poente da memória a angústia se avizinha ...

Beliebte Posts aus diesem Blog

Diálogos em transição

Aproveito o silêncio