Leia Canadá 🍁


O Canadá é o país anfitrião da Feira do Livro de Frankfurt 2021.
Neste fim de tarde de sábado, 3sat apresentou o documentário “Kanada lesen!” Um filme de 
Susan Christely e Nil Varol.
“Uma palavra após uma palavra após uma palavra é poder", diz Margaret Atwood.
Com os acontecimentos no Afeganistão e no Texas, o seu romance de culto "The Maid's Report" atingiu novamente um tópico alarmante. 
Susan Christely e Nil Varol não perguntam apenas a Margaret Atwood:
"Quem sou eu?" 
Escritores falam da identidade canadiana entre o anglo-francófono, a aceitação e a rejeição, as tradições e a busca pelo lar e pela identidade. 
Kim Thúy nasceu no Vietname e mora na Francófona Montreal.
O seu primeiro livro, "Ru", foi um sucesso internacional e lhe rendeu inúmeros prémios.
Esi Edugyan, uma canadiana anglófona filha de imigrantes ganenses, explica o que a identidade significa para os filhos de imigrantes. Ela ganhou duas vezes o Prémio Giller, pelos seus romances “Half-Blood Blues” e “Washington”. 
Douglas Coupland lança luz sobre como as mentalidades das gerações mudaram. Como os escritores das Primeiras Nações percebem o Canadá?
Não apenas David A. Robertson dá uma olhada literária na história cruel, explica as escolas residenciais em livros infantis e defende a reconciliação — por meio do poder da literatura.
Como no resto do mundo, os indígenas do Canadá sofreram um destino terrível. Sepulturas coletivas de crianças descobertas em 2021 revelaram isso novamente. O que move o povo das Primeiras Nações? Como tematizar a vida com o sofrimento na literatura? E como um autor de quadrinhos anglófonos lida com os crimes dos colonialistas?


Kommentare

  1. A colonização sempre foi nefasta para quem já residia nas terras colonizadas. Foram feitos escravos, sofreram os maiores terrores, que só o Holocausto Nazista superou. Livros e filmes sobre essas atrocidades deviam ser lidos por todo o mundo a fim de que esse (mundo) deixasse de ser tão cruel e injusto.
    .
    Cumprimentos poéticos … bom fim de semana.

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Calcular com exatidão o número de pessoas mortas como resultado das políticas nazistas é uma tarefa extremamente difícil. Não há um só documento que explicite exatamente quantas pessoas foram mortas durante o Holocausto, na Segunda Guerra Mundial. Todavia, o número das vítimas do colonialismo é provavelmente superior.

      Löschen
  2. Dei-me ao trabalho de ir saber em que nível de interesse/leitura se situava a Alemanha... tive um baque... no ranking, os alemães, situam-se no penúltimo lugar de uma lista de 40 países. Quase metade da população não comprou, em 2018, um único livro...
    Se não acreditas, vê shorturl.at/bfsLM

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. O link acima não funciona, este sim
      https://www.moneytimes.com.br/brasil-e-o-8o-pais-que-mais-le-no-mundo-veja-ranking-completo/

      Löschen
    2. Pensas que num país, onde o povo não lê, se realizava a Feira do Livro de Frankfurt que é a maior de todas as feiras de livro no mundo?! A sua primeira edição foi em 1949.

      Löschen
    3. Brasil é o 8º país que mais lê no mundo e tem um IGNORANTE como presidente 😜

      Löschen
  3. Ena, esta publicação não a sei comentar Como o merece! :) 💙🍁
    -
    Tento esquecer de quem não me merece
    -
    Beijos e um excelente fim de semana!

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Tente esquecer esta publicação, que ela não merece a sua atenção!!

      Löschen
  4. Encontrei o link do vídeo, mas em alemão. Como o meu alemão é inexistente (apesar de o ter estudado durante cinco anos), concentrei-me nas imagens. Como suspeitei, Atwood tinha que ser entrevistada...

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Claro que a estrela no firmamento da Literatura Canadiana tinha de ser entrevistada e eu também a menciono:

      [“Uma palavra após uma palavra após uma palavra é poder”, diz Margaret Atwood. Com os acontecimentos no Afeganistão e no Texas, o seu romance de culto "The Maid's Report" atingiu novamente um tópico alarmante.]

      Susan Christely e Nil Varol não entrevistaram apenas a Margaret Atwood e eu gostei muitíssimo mais de ouvir os representantes da Literatura Indígena como Katherena Vermette, Paul Seesequasis e o autor indígena com raízes escocesas David Alexander Robertson.

      Embora o teu alemão seja inexistente, Catarina, gostei de saber que estudaste a língua alemã durante cinco anos.

      Löschen

Kommentar veröffentlichen

Beliebte Posts aus diesem Blog

Angela Merkel: fim de uma era