Direkt zum Hauptbereich

DIA de LUÍS de CAMÕES e da LÍNGUA PORTUGUESA



Oh! Que famintos beijos na floresta,
E que mimoso choro que soava!
Que afagos tam suaves, que ira honesta,
Que em risinhos alegres se tornava!
O que mais passam na manhã e na sesta,
Que Vénus com prazeres inflamava,
Melhor é exprimentá-lo que julgá-lo;
Mas julgue-o quem não pode exprimentá-lo.

"Os Lusíadas", Canto IX

Kommentare

  1. Festejado por aqui nas instalações consulares e Gruta de Camões como é tradição

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Não faço ideia, se o Dia de Camões é aqui festejado, penso que o Consulado continua fechado.

      Löschen
  2. Muito bem. Gostei desse poema:)) 🌹💙
    *
    Um excelente(feriado) dia de Portugal
    Beijos
    -
    Coisas de uma vida.

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. “Os Lusíadas” é a obra mais importantes da literatura de língua portuguesa.

      Aqui 🇩🇪 não é feriado.
      A maioria da população nunca ouviu falar de LUÍS de CAMÕES.

      Löschen
  3. O Dia de Portugal é festejado em grande na comunidade portuguesa. Em anos anteriores, com desfiles pelas ruas dos bairros predominantemente portugueses, nas escolas onde a população estudantil é, na sua maioria, portuguesa e onde todos os outros alunos participavam, nos clubes e associações com almoços, jantares e programas recreativos e, evidentemente, no Consulado de Portugal, onde encontrávamos todos os anos as mesmas pessoas, portuguesas e ilustres canadianos, num ambiente de grande convivência e com hors d’ouevres fabulosos.... o elemento gastronómico é sempre um aliciante. : )
    Este ano a celebração será virtual.

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Um fragmento da mensagem do Embaixador de Portugal Francisco Ribeiro de Menezes: 10 de Junho de 2021 — Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas

      “Em breve veremos a seleção portuguesa de futebol em ação, também aqui na Alemanha. Fará, estou certo, uma campanha excelente. Muito importante, em 2022, Portugal será Pais Convidado da Feira do Livro de Leipzig, em março, e da Feira industrial de Hannover, em abril. Aqui fica o convite para esses dois momentos únicos, onde exibiremos a nossa língua e a nossa cultura, por um lado, e por outro a extraordinária riqueza e diversidade do nosso tecido produtivo, marcado pelo conhecimento avançado, a qualidade e a inovação. Mais razões para nos sentirmos orgulhosos de ser portugueses na Alemanha, membros de uma Comunidade cuja vitalidade em tanto contribui para o progresso dos dois países.
      Desejo-vos um muito feliz dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

      Muito obrigado, e viva Portugal”

      Löschen
  4. Os LUISIADAS, o livro que imortalizou o Poeta, Luís Vaz de Camões. Único sem dúvida. O mais parecido com ele, apenas vejo um outro poeta: EU, ahahaahahahaah

    Deixando um beijinho suave e carinhoso

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. “Nô mais, Musa, nô mais, que a Lira tenho
      Destemperada e a voz enrouquecida,
      E não do canto, mas de ver que venho
      Cantar a gente surda e endurecida.”

      — Epílogo. Canto X, estrofe 145

      Löschen
  5. "A maioria da população nunca ouviu falar de LUÍS de CAMÕES."
    A culpa é tua
    organiza uma tertúlia
    e declama o poeta
    como quem reza

    se a moda pega
    e se propaga
    talvez ...

    Que tal traduzires para alemão
    o soneto que hoje editou a João?

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. A maioria da população alemã nunca ouviu falar de Luís Vaz de Camões.
      A maioria da população portuguesa nunca ouviu falar de Johann Wolfgang von Goethe.

      Traduzir um soneto é uma tarefa hercúla.

      Löschen
  6. Não assinalei o dia, nem aqui nem no FB mas fui almoçar com a minha irmã a um restaurante localizado na freguesia das origens da minha mãe.
    É outra forma de festejar!
    "Descalça vai para a fonte
    Lianor pela verdura..."

    A minha irmã chama-se Leonor! :)

    Abraço

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. DESCALÇA VAI PARA A FONTE
      Descalça vai para a fonte
      Lianor pela verdura;
      Vai fermosa, e não segura.

      Leva na cabeça o pote,
      O testo nas mãos de prata,
      Cinta de fina escarlata,
      Sainho de chamelote;
      Traz a vasquinha de cote,
      Mais branca que a neve pura.
      Vai fermosa e não segura.

      Descobre a touca a garganta,
      Cabelos de ouro entrançado
      Fita de cor de encarnado,
      Tão linda que o mundo espanta.
      Chove nela graça tanta,
      Que dá graça à fermosura.
      Vai fermosa e não segura.

      Löschen
  7. A Língua Portuguesa por onde anda ela?! Que venham os nossos escritores salvá-la da corrupção !

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. O teu pessimismo cresce de dia para dia, Ricardo!!
      O desenvolvimento da Língua Portuguesa desde a época camoniana é notável e necessário para evitar a estagnação. A corrupção só existe na política e consórcios.

      Löschen
    2. Infelizmente era bom que fosse assim. A evolução da língua seja ela qual for é importantíssima, isso é uma grande verdade. Mas têm de ser os linguistas a fazê-lo e não os políticos !!! A corrupção existe onde há dinheiro e poder, também existiu na vergonhosa versão do AO de 1990 !

      Löschen
    3. O novo acordo ortográfico tem como objetivo padronizar a ortografia e facilitar a comunicação entre os países que tenham como idioma oficial a língua portuguesa.

      Löschen
    4. É a tua opinião que respeito, como respeito as daqueles que se opõe a alterações linguísticas perfeitamente erradas, e não sou eu que o digo, simplesmente estou de acordo com estas últimas!

      Löschen
    5. As alterações linguísticas é um vasto campo. Embora aceite o novo acordo ortográfico ainda estou no caminho da aprendizagem.

      Löschen

Kommentar veröffentlichen

Beliebte Posts aus diesem Blog

TECIDOS DO CÉU

Tivesse eu os tecidos azuis e foscos do céu Embrulhava lá a minha descrença  E dominada pelos mitos antigos  Tentava uma aproximação muito longínqua, muito incapaz, a um deus desconhecido. Sim, na medida em que fosse algo diferente do deus dos crentes da minha terra. Uma aproximação  em que me visse reflectida em vários espelhos, por secções — e tentava extrair daí o máximo divisor comum.