A Tabacaria


Franz Huchel, um jovem de 17 anos, começa a trabalhar como aprendiz numa tabacaria em que Freud é um cliente frequente. Depois de um tempo, os dois estabelecem uma forte relação de amizade. 
Franz (Simon Morzé) apaixona-se perdidamente pela dançarina Anezka (Emma Drogunova), e começa a pedir conselhos amorosos a Sigmund Freud (Bruno Ganz) que, embora seja um famoso psicanalista, admite que, até mesmo para ele, os mistérios femininos têm uma grande potência.
A tensão política e social aumenta dramaticamente na Áustria, piorando com a chegada dos nacional-socialistas à capital. Franz, Sigmund, Anezka perdem-se no meio do caos da cidade e cada um terá uma decisão difícil para tomar: ficar ou fugir de Viena?
Baseado no livro de 2012 do romancista e actor austríaco Robert Seethaler, o filme de Nikolaus Leytner (2018) retrata os prazeres e sofrimentos do jovem alemão na Áustria ocupada por Adolf Hitler.

Kommentare

  1. Freud foi um personagem estranho.
    Bom domingo, Teresa.
    Saúde!

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Uma personalidade interessantíssima.
      Continuação de um bom domingo de advento.
      Não te esqueças de acender a terceira vela.

      Löschen
  2. Devem ser interessantes o livro e o filme!

    Abraço

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. O livro ainda não li, embora conheça outros romances do romancista e actor austríaco. Vi o filme porque o actor suíço BRUNO GANZ faz parte do elenco, isto é, interpreta a personagem de Sigmund Freud.

      Löschen
  3. Muito interessante!! :))
    --
    Nos labirintos da minha alma.
    -
    Beijo e um excelente fim de semana.

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Muitíssimo interessante é o poema que ontem me dedicou.

      Continuação de um ótimo domingo de advento.

      Löschen
  4. Bruno Ganz está irreconhecível, por debaixo do "disfarce" de Sigmund Freud. 😊
    Gosto de o ver trabalhar e o argumento é bastante aliciante!
    (...)

    Fui entretanto pesquisar ao STREMIO (a aplicação onde costumo ver cinema) e encontrei o filme. 😍
    Já estive a ver umas quantas imagens e já o coloquei na lista para o ver logo que consiga.
    A propósito do que Freud dizia sobre os mistérios femininos, apanhei (enquanto fazia zapping pelo filme) uma parte em que Franz estava a pedir os tais conselhos, ao que responde com esta frase: «as mulheres são como charutos; se você forçar demais, não vão dar-lhe prazer algum».
    😊

    Obrigada pela dica
    Beijinhos cinéfilos

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. A frase no original é um pouco diferente:

      „As mulheres são como os charutos; se você forçar demais, vão partir“.

      Löschen
    2. Pois ... era isso mesmo que eu queria saber... porque achei a frase descabida... mas tentei lê-la aos olhos da sociedade machista daquela época.
      Obrigada Teresa, fiquei com vontade de ver o filme... mas já fico avisada de que a tradução não é de fiar!

      Beijinhos rijos e firmes...
      😉

      Löschen
    3. Os charutos cubanos com a marca „feitos por homens corajosos e enrolados nas coxas de belas mulheres“ já tem uma conotação sexual.

      Beijo de Düsseldorf e não de Cuba!!

      Löschen

Kommentar veröffentlichen

Beliebte Posts aus diesem Blog

O que ando a ler?