Berlinale em tom de despedida


O 69º Festival Internacional de Cinema de Berlim é o último sob a direção de DIETER KOSSLICK. Nascido em 1948 em Pforzheim, no sudoeste da Alemanha, Kosslick começou nessa função em 2001, sendo o sucessor de Moritz de Hadeln e Ulrich Gregor. Ele deu ao festival novos impulsos e uma nova atmosfera, trazendo importantes inovações: o cinema alemão passou a ser mais valorizado, voltando a participar na competição.
Nos últimos anos, no entanto, Kosslick tem sido frequentemente criticado pela falta de qualidade artística da competição. 
 Ainda o festival não terminou e já sinto saudades deste seu director  
tão divertido e charmoso.

Kommentare

  1. Hoje mesmo li uma matéria interessante sobre o festival de Berlim em um jornal brasileiro. E o diretor parece mesmo ser divertido e charmoso. Falta de qualidade artística nos últimos anos? Não sei se procede. Saudações!

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Embora o Festival Internacional de Cinema de Berlim seja uma competição de grande qualidade artística devido ao mérito de Dieter Kosslick, há sempre algo de novo e prometedor numa mudança.

      Sabes que o Brasil participa na Berlinale com 12 filmes?

      Löschen
    2. Sabia, sim, sobre a participação do Brasil, mas não que eram 12 filmes!

      Löschen
    3. O Festival de Cinema de Berlim terá 12 filmes brasileiros, sendo um na mostra principal, mas fora de competição: Marighella, de Wagner Moura.

      Löschen
  2. Nada sei acerca desse director, mas já presenciei - visto do exterior - o glamour da berlinália. Mudar é por vezes uma necessidade. Pode ser o caso.

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. A tradução em português da BERLINALE rouba completamente o glamour ao Festival Internacional de Cinema de Berlim.

      Mudanças trazem sempre novas oportunidades, novas perspectivas 🐦

      Löschen
  3. Quando as pessoas nos marcam, independentemente do projeto, custa sempre despedirmo-nos :/

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Sem dúvida que Dieter Kosslick marcou presença na BERLINALE, todavia, não custa nada a despedida. Nos últimos anos o Festival não era inovativo, era simplesmente uma zona de conforto 🐦

      Löschen
  4. Dieser Kommentar wurde vom Autor entfernt.

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Cultura alemã em Lisboa é uma oportunidade magnífica de conhecer melhor a Alemanha, país que amo muito.

      Gostava de saber quais foram os filmes de expressão alemã que o Goethe Instituto apresentou no Cinema São Jorge 🐦

      Löschen
    2. Essa informação está disponível na internet. Eu como não sou apreciador de cinema alemão não fui. Em toda a minha vida só me lembro de três filmes que tenha verdadeiramente gostado muito:
      A Vida dos Outros (Das Leben der anderen), este é um dos filmes da minha vida (nota 11 em 10), Good Bye, Lenin! e A Queda (der untergang).
      O casamento de Maria Braun, penso também ter gostado, já não tanto de As lágrimas amargas de Petra von Kant, ambos do mestre Fassbinder.
      Mas deve ser defeito meu que não sou intelectual.
      Tive pena de não ter visto A Fita Branca (Das Weisse Band) e Lugar Nenhum na África (Nirgendwo in Afrika).
      Bom fim de semana.

      Löschen
    3. Muitíssimo obrigada pela informação, Joaquim Ramos 🐦

      Está claro que conheço todos os filmes aqui mencionados, sendo o meu favorito GOOD BYE LENIN! | Adeus Lenine! com Katrin Sass e Daniel Brühl, embora a A FITA BRANCA seja uma verdadeira obra-prima. Como também todos os fimes de Rainer Fassbinder.

      Ótimo fim-de-semana!

      Löschen
  5. Muitas vezes a mudança significa uma nova vida.
    Esperemos que seja esse o caso agora também.

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Fraldas frescas não são só necessárias na política, mas sim, em todas as áreas. O filme da abertura de ontem, confirmou a péssima escolha de filmes nos últimos anos 🐦

      Löschen
  6. Estava a tentar colocar o comentário no sítio certo e afinal anulei o anterior. Problemas linguísticos :)

    AntwortenLöschen
  7. Espero que não mude o símbolo!
    Adoro esses ténis! :)

    Abraço

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. O símbolo pertence à cidade de Berlim.
      As sapatilhas pertencem a Dieter Kosslick.

      Abraço do ursinho berlinense 🐻

      Löschen
  8. Queridos leitores,

    convidamos-vos a ler o capítulo 7 do nosso conto escrito a várias mãos "Ecos de Mentes". Esta semana pela mão da Tixa Falchetto, interpretando Helena.


    https://contospartilhados.blogspot.com/2019/02/ecos-de-mentes-capitulo-7.html

    Sempre com o mesmo carinho por vós,
    saudações literárias!

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. O capítulo 7 do vosso conto escrito a várias mãos "Ecos de Mentes" é absolutamente fascinante.

      Saudações de Düsseldorf 🐦

      Löschen

Kommentar veröffentlichen