Fragmento de tempo



As minhas mãos brancas
pétalas de vento
brincam
frias, distraídas
com a tua boca
com os teus olhos
com o teu ombro nu

Êxtase nocturno
Êxtase de momento
confunde-se em silêncios

Há uma alegria leve de partir
no meu sorriso ao amanhecer

Não fiques triste, amor
Em cada rua há um cântico novo

Kommentare

  1. Antworten
    1. Trata-se, como é visível, de um poema de amor, reflecte uma imagem de sensualidade conscientemente assumida.

      Löschen
  2. Lindo Teresa! Gosto de tudo... do poema... da tela... até do título que escolheste.
    E com as tuas palavras por companhia me vou até "vale de lençóis" pois já estou há uns minutos generosos a tentar ignorar o que o relógio teimosamente me diz.

    Beijinhos e parabéns
    🌹

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Acredito que tenhas gostado da pitada de erotismo, que aparece no poema como também na imagem.

      Beijos da amiga que permanece fiel a si própria 😘😘😘

      Löschen
  3. Antworten
    1. Não é fácil, falar de amor às pessoas que não ouvem o cântico do povo.

      Löschen
  4. Antworten
    1. O componente do prazer que a leitura deste poema provoca, é muito importante para mim, Ricardo 😘

      Löschen
  5. Adorei, Te !!! ... Surpreendido até !
    Habitualmente, conheço-te mais "virada" para a prosa ! ... Este poema está liiindo !

    :)

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Embora sem grande talento, escrevo poesia desde a infância.

      Löschen
  6. Antworten
    1. Também eu amo janelas, janelas floridas na Primavera.

      Löschen

Kommentar veröffentlichen