A Concha

A minha casa é concha. Como os bichos
Segreguei-a de mim com paciência:
Fechada de marés, a sonhos e a lixos,
O horto e os muros só areia e ausência.

Minha casa sou eu e os meus caprichos.
O orgulho carregado de inocência
Se às vezes dá uma varanda, vence-a
O sal que os santos esboroou nos nichos.

E telhadosa de vidro, e escadarias
Frágeis, cobertas de hera, oh bronze falso!
Lareira aberta pelo vento, as salas frias.

A minha casa... Mas é outra a história:
Sou eu ao vento e à chuva, aqui descalço,
Sentado numa pedra de memória.

Vitorino Nemésio — O Bicho Harmonioso (1938)

Kommentare

  1. Não conhecia este poema de Vitorino Nemésio, Teresa. Obrigado pela partilha.
    Beijinhos do matulão de 13 anos :-)

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Com 13 anos, eu era uma linha na paisagem.

      Löschen
  2. Excelente forma de comemorar este dia

    AntwortenLöschen
  3. Boa escolha para este Dia

    Tudo de bom

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Toda a POESIA PORTUGUESA é uma boa escolha.

      Tudo de bom também para ti, São.

      Löschen
    2. A poesia de Vitorino Nemésio foi uma agradável surpresa para mim que só lhe tinha lido a prosa.
      E este poema é um dos que me surpreendeu.

      Löschen
    3. Claro que o açoriano se destacou como romancista, autor de Mau Tempo no Canal.

      Na poesia, o papel da memória e da saudade, assim como a obsessão da morte, é fundamental.

      Löschen
  4. Belo Soneto do Professor açoreano Vitorino Nemésio, que tantas vezes vi e ouvi, na RTP. As suas palestras "Se bem me lembro", eram imperdíveis.
    Adorei, Teresa!

    Um beijinho.

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. A nossa POESIA é tão rica que a escolha não foi fácil.

      Beijinhos poéticos da amiga de sempre.

      Löschen
    2. Quem é que não gosta da POESIA de Vitorino Nemésio?

      Löschen

Kommentar veröffentlichen