Günter Grass


Um dos principais escritores do pós-Guerra, Günter Grass, mundialmente conhecido pela obra "O tambor", de 1959, morre aos 87 anos em Lübeck. 
Günter Grass, que recebeu o Prémio Nobel de Literatura em 1999 pelo conjunto de sua obra, nasceu na Cidade Livre de Danzig, cidade-Estado de maioria alemã, hoje Gdansk na Polónia.
Günter Grass sempre se envolveu em assuntos políticos.  
Nos anos 70 apoiou o SPD Partido Social-Democrata da Alemanha, o governo do chanceler federal Willy Brandt 
e a chamada Ostpolitik, de reaproximação da Alemanha Ocidental com os países do Leste Europeu, incluindo o reconhecimento das fronteiras do pós-Guerra.
A última polémica em que Günter Grass se envolveu foi em 2012, quando da publicação do poema Was gesagt werden muss O que precisa de ser dito, no qual critica a política externa de Israel, acusando o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu de ser uma ameaça à paz mundial.
O governo israelita decidiu proibir a entrada no país de Günter Grass, considerando-o persona non grata.

Kommentare

  1. Dele só li "A ratazana" e fez-me tal impressão pela dureza das perspetivas que nunca mais li nada dele.

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. "A ratazana" é difícil de digerir, Carlos.

      Porque não lê o "O Tambor" que representa até hoje um marco significativo da literatura mundial.

      Löschen
  2. Sabe como eu gostava de Grass mas, ainda estava mal refeito da notícia da sua morte, quando caiu no meu computador a notícia da morte de Eduardo Galeano. No Dia Mundial do Beijo, o Beijo da Morte levou do nosso convívio dois enormes vultos da literatura mundial. Vai triste e mortífero, este Abril...

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Este Abril vai triste e mortífero para enormes vultos da literatura e cinematografia mundiais.

      Löschen
  3. Günter Grass, Eduardo Galeano, ... as coisas vão mal para a literatura mundial ! :(

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Só agora que li os vossos comentários, é que soube da morte do Eduardo Galeano.
      São mortes a mais, poça!

      Löschen
  4. ~ Pensadores que nos deixaram um legado muito positivo.
    ~ ~ Que repousem em paz. ~ ~
    ~ Cada vez gosto menos das cúpulas do governo israelita.

    Continuação duma estadia muito agradável em terras lusas.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    Ps~Detestei ler o teu desabado: ''poças''! Que coisa horrível!!
    ~~~~~

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Usei a interjeição poça para expressar espanto, admiração, indignação.

      A minha estadia na cidade invicta termina já no próximo sábado, mas penso voltar em breve, porque me faz bem.

      Löschen
  5. Ouvi a notícia logo pela manhã.
    Que repouse em paz.

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Um polémico como o nosso Günter, nem no céu vai deixar ninguém em paz.

      Löschen

Kommentar veröffentlichen