O JOGO DO AMOR E DO ACASO de Pierre Carlet de Marivaux


Em 2013, Roberto Merino e os alunos finalistas de Teatro da ESAP cruzaram Agamémnon de Ésquilo e As Troianas de Eurípides no palco do Teatro Carlos Alberto, num espetáculo a que deram o nome de Máquina-Tróia. Fizeram-no com a convicção de que era urgente denunciar a guerra, “essa máquina fantasmagórica viciada em sangue e ossos”. 
Agora, viajam ao interior de um dos reversos da guerra, jogando O Jogo do Amor e do Acaso de Pierre Carlet de Marivaux, peça que encena o amor e as suas surpresas a partir de um imprevisível e ambíguo jogo de máscaras, que é simultaneamente fonte de comicidade e de questionamento da ordem estabelecida. Comédia em três atos escrita em 1730, é um dos testemunhos vivos da genialidade dramática de um autor que é muito justamente celebrado pela sua particular “metafísica do coração”.

Kommentare

  1. ~
    ~ Que saudades eu tenho de ver uma boa peça de teatro!
    ~ Ao tempo!
    ~ Aproveita bem.

    ~ ~ ~ ~ Grande abraço. ~ ~ ~ ~

    AntwortenLöschen

Kommentar veröffentlichen