Às segundas ao sol


Não, não quero escrever sobre o filme de Fernando León de Aranoa, que expõe um tema candente: o encerramento de um estaleiro naval na Galiza e do despedimento colectivo de 200 trabalhadores.
A película centra-se num grupo destes desempregados, cujos dramas, na sua diversidade, acompanha dia a dia, a partir do seu ponto de encontro: um bar.

Nesta segunda-feira o sol entrou na minha varanda, onde me encontro a escrever, a ler e a tomar café. Desejo não estar apenas às segundas ao sol, mas sim todos os dias — o sol presenteia-me com uma força anímica e uma espantosa vitalidade.

Kommentare

  1. Que recanto cheio de encanto!
    Hoje já choveu bem em Lisboa!

    Abraço

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. O sol desta segunda-feira quase derreteu todas as minhas tristezas.

      Abraço-te, Rosa dos Ventos!

      Löschen
  2. Acontece-me o mesmo em relação ao sol. Depois de uns dias esplendorosos e quentes ( à noite andava na rua de manga curta!) chegi esta manhã a Lisboa e sou recebido com chuva. Que neura!
    Bons banhos de sol mas cuidado... Lembra-se da história que contei da minha cunhada alemã, a primeira vez que veio a Portugal e se esparramou ao sol?

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Embora eu não seja loira como a minha mãe, sou como ela alérgica ao sol, portanto nunca tomo banhos de sol.

      Estou bem resguardada do sol na parte da varanda onde me encontro, porém um céu azul e um sol brilhante ajuda-me a superar a minha depressão.

      Löschen
  3. Por aqui, voltou a chuva e o frio :(

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Ontem à noite falei ao telefone com uma familiar portuense e ela disse-me que estava aí muito calor, portanto, a chuva e o frio é coisa de pouca dura.

      Löschen
  4. ~ Um médico alemão, um vizinho amigo casado com uma portuguesa, dizia que os estados depressivos provocados pela falta de sol são problemas de portugueses, que os alemães não sofrem dessas fraquezas.
    ~ Provávelmente os teus filhos já estarão imunizados.
    ~ A chuva de hoje veio oferecer um contraste saudável.

    ~ ~ ~ Abraço muito amigo. ~ ~ ~

    PS ~ Deixei-te "feedback" no post anterior.

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Esse médico alemão está muito longe da realidade.

      75% das mulheres alemãs apresentam estados depressivos provocados pela falta de sol e luz durante o Outono e o Inverno.

      A causa da minha tristeza já é uma outra, embora um dia de sol com um céu muito azul me traga algum alívio.

      PS: Já respondi ao teu comentário, Majo!
      O Dia do Japão é uma oferta dos japoneses aos alemães.

      Löschen
    2. ~ Deve ser por isso que ele vive no Algarve há cerca de 30 anos, onde exerce clínica como qualquer médico português.

      Löschen
    3. É preciso dedicação, e também alguma coragem, para enfrentar as temperaturas abaixo de zero do Inverno alemão, sem quase nenhum raio de sol colorindo o céu.

      Löschen
  5. Abençoado Sol!! Aproveita!

    Boa semana.

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Continuo a aproveitar, porque a partir de sexta-feira temos chuva!

      Löschen
  6. O Sol quando nasce é para todos, ou pelo menos deveria ser !

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. O Sol nasce para TODOS, Ricardo, mesmo para os mais desfavorecidos!

      Löschen
  7. Hoje já é terça, espero que o Sol continue a bater na tua varanda, assim como amanhã. Mais cedo, que a estas horas só pode estar inundada de luar... :)

    Beijocas

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Hoje já é quarta-feira de amanhã e o sol ainda não bate na minha varanda; as temperaturas continuam altas demais para a época do ano e ao fim da tarde vamos ter trovoada.

      Löschen
  8. sol entrando em minha casa lembra sempre a minha gata. como gatos amam sol. ficam procurando. ela já estaria nessa cadeira. beijos, pedrita

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. O Casimir dormiu toda a tarde ao sol, não na cadeira, mas sim, no sofá do meu quarto junto à janela.

      Löschen

Kommentar veröffentlichen