Escravos do amor


O autor e realizador Thomas (Mathieu Amalric) procura uma intérptere para o papel de Wanda, a figura feminina da famosa e famigerada novela Venus im Pelz (Vénus em peliça) do austríaco Leopold von Sacher-Masoch.
Desiludido por não encontrar a adequada actriz para a sua nova produção, Thomas quer ir para casa, quando aparece uma mulher (Emmanuelle Seigner) com aspecto vulgar que se chama Vanda como a protagonista da peça.
Venus im Pelz (Vénus em peliça) é a relação complexa entre a actriz e o realizador, mais além, entre o homem e a mulher.
As tiradas machistas do realizador são desmascaradas com o toque do seu telemóvel — A Cavalgada das Valquírias de Richard Wagner. 
É a sua noiva que o espera para verem juntos um programa de televisão. Esta noite vai esperar em vão. Thomas não vai sair facilmente do envolvimento com a misteriosa Vanda.
"Na Guerra dos Sexos a mulher ganha sempre", disse Roman Polanski numa entrevista recente.
Que Emmanuelle Seigner seja a mulher e Mathieu Amalric seja o sósia do Polanski quando jovem, dá uma dimensão adicional a este grandioso filme, em que o escravo do amor (das suas obsessões pelo prazer e pela sexualidade) é o homem e não a mulher.

Kommentare

  1. Antworten
    1. VENUS IM PELZ é o último filme de Roman Polanski, Pedro; e penso que ainda não chegou nem a Portugal nem a Macau.

      Löschen
  2. Ematejocamiga

    Ainda não vi - mas vou ver. Basta que tu o menciones. Quando chegar cá é tiro e queda. Obrigado

    MAS HOJE; SEM TE PEDIR AUTORIZAÇÃO, VOU PUBLICAR AQUI O SEGUINTE TEXTÍCULO:

    Morreu um Homem. E está tudo dito. Mas não, não está. Um Homem que eu tive a honra e o privilégio de conhecer pessoalmente. Vida de jornalista tem destas coisas. Trasantontem foi o Ceausescu, anteontem foi o Rajiv, ontem foi a Thatcher, E agora Mandela; que percorreu o tempo de cem anos e ficou tranquila e sorridente e afável na História. Da conversa que tive com ele ficou-me a imagem de um sorriso, um sorriso só sorriso e a ideia de que ele "deixou-se" ficar na História. E ela agradeceu-lhe.

    Palavras bacocas as do Imóvel de Belém (que até vai às cerimónias fúnebres em nome deste Portugal de cócoras; pela minha parte não lhe passei procuração porque não votei nele e considero que é uma besta) do Passos do Coelho e dum tal Machete. Uns filhos da puta. Bacocas e ocas. Ocas e carregadas de lugares comuns. Que sorte a nossa...

    Para mim, morreu o Homem. Se existe alma a dele era grande como o Mundo.

    Qjs

    Venho colocando este comentário em vários blogues de várias Amigas/os. Não tenho, infelizmente, tempo para mais. As minhas desculpas.

    AntwortenLöschen
  3. "Na Guerra dos Sexos a mulher ganha sempre", disse Roman Polanski...

    Eu tenho um amigo que costuma dizer que os homens apenas têm (e eventualmente) mais força do que as mulheres... mas que elas (nós portanto) é que são o verdadeiro SEXO FORTE. :))


    Beijinhos de mulher
    (^^)

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Também eu sou da opinião, que nós é que somos o verdadeiro SEXO FORTE.

      Não percas este filme, AFRODITE, porque vais gostar.

      Löschen

Kommentar veröffentlichen