O "enfant terrible" Frank Castorf

 
A nova encenação da tetralogia O Anel do Nibelungo é esperada com grande suspense.
O ciclo com 16 horas de duração, distribuídas por quatro récitas, será dirigido pelo austro-russo Kirill Petrenko e colocado em cena pelo alemão
Frank Castorf.
Homem de teatro de 65 anos, natural de Berlim Oriental, director geral do Berliner Volksbühne e conhecido por desrespeitar as convenções teatrais e protagonizar um ou outro escândalo artístico, foi o escolhido para encenar O Anel do Nibelungo no tradicional templo da arte wagneriana, Bayreuth.
 
Eu, fã do berlinense, aguardo O Anel do enfant terrible com grande impaciência.

Kommentare

  1. Muito prazer em conhecê-lo :-)
    Bom fds , amiga

    AntwortenLöschen
  2. "Eu nunca estive em Bayreuth. É sempre especial conhecer algo novo. E Bayreuth é especialmente interessante devido à sua história, com os muitos sistemas sociais que a casa sobreviveu e acompanhou ideologicamente.
    Todo o resto faz parte da rubrica "vaidade" – e eu sou muito vaidoso!
    Agrada-me também a brevidade e a densidade do festival, um período em que a pessoa pode ser estimulada – e até sobrecarregada – pelo trabalho. São 16 horas de música para serem encenadas em menos de dois meses: é preciso ter um fôlego bem longo e mostrar uma certa falta de escrúpulos diante das próprias suscetibilidades, visões e intenções. E isso dá-me prazer."

    Frank Castorf

    AntwortenLöschen

Kommentar veröffentlichen