O primeiro mercado de escravos da Europa foi feito em Lagos

«... e começaram de os apartarem uns dos outros, a fim de porem seus quinhões em igualeza; onde convinha de necessidade de se apartarem os filhos dos pais e as mulheres dos maridos e os irmãos und dos outros. A amigos nem a parentes não se guardava nenhuma lei, somente cada um caía onde a sorte o levava! [...]
E vós outros, que vos partilha, olhai com piedade sobre tanta miséria e vede como se apertam uns com os outros, que apenas os podeis desligar!
Quem poderia acabar aquela partição sem mui grande trabalho? Que tanto que os tinham postos em uma parte os filhos, que viam os pais na outra, alevantavam-se rijamente e iam-se para eles; as mães apertavam os outros filhos nos braços e lançavam-se com eles de bruçus recebendo feridas com pouca piedade de suas carnes, por não serem tirados!
E assim trabalhosamente os acabaram de partir, porque além do trabalho que tinham com os cativos, o campo era todo cheio de gente, assim do lugar como das aldeias e comarcas dos arredores as quais deixavam naquele dia folgar suas mãos, em que estava a  força do seu ganho, somente por ver aquela novidade».

Gomes Eanes de Zurara — Crónica de Guiné —  cap. XXV

Kommentare

  1. Fomos sempre percursores em coisas de que não nos devemos orgulhar...
    Bom fds. Não apanhe chuva! Apanhe antes o autocarro a tempo, para não chegar outra vez atrasada ao cinema:-)

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. O tema central dos filmes "Lincoln" e "Django Libertado" é a escravatura nos Estados Unidos, daí me lembrar que o primeiro leilão de escravos em Portugal foi feito em Lagos em 1445, onde se venderam 20 homens trazidos da Guiné.
      Lagos, que foi o primeiro porto de chegada de escravos, depressa foi substituído por Lisboa, sendo em 1502 inaugurado o "mercado de escravos de Alfama".
      A escravatura era o negócio mais lucrativo destes primeiros tempos dos descobrimentos.

      O autocarro é que não me apanhou a tempo, Carlos, pois chegou 28 minutos atrasado.

      Löschen
  2. Há muitos que se esquecem destes episódios vergonhosos da nossa História, como a escravatura e a queima dos judeus, que nos deviam fazer reflectir mais antes de sermos tão lestos e viperinos a criticar a História dos outros.
    Obrigado pelo post pois reconheço que não sabia que tinha sido em Lago o primeiro mercado de escravos.
    Cumprimentos

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Eu é que agradeço ao Luís por compreender a minha intenção ao publicar aqui um texto da Crónica de Guiné de Gomes Eanes de Zurara.

      Löschen

  3. Mas se fomos os primeiros a "comercializar" escravos também fomos os primeiros a abolir a escravatura, oficialmente!
    Somos um povo cheio de paradoxos!

    Abraço

    AntwortenLöschen
    Antworten
    1. Portugal foi um dos primeiros países a abolir a escravatura na Metrópole e na Índia, mérito do Marquês de Pombal, um déspota esclarecido.

      Contudo, só pelo Decreto de 1854, os primeiros escravos a serem libertados foram os do Estado e mais tarde os da Igreja pelo Decreto de 1856.

      E, com a lei de 25 de Fevereiro de 1869 proclamou-se a abolição da escravatura em todo o Império Português, até ao termo definitivo de 1878.

      Löschen
  4. Como a Rosa dos Ventos disse, somos, realmente, um povo de paradoxos. Uma característica nata a que não se pode fugir. : )
    Abraço

    AntwortenLöschen

Kommentar veröffentlichen