Paixão segundo São João, BWV 245


No claustro do Mosteiro de São Bento da Vitória – um dos edifícios religiosos mais emblemáticos da cidade do Porto –, a ESMAE celebra a Páscoa com a Paixão segundo São João, desse génio prolífico chamado Johann Sebastian Bach. Primeira incursão do compositor alemão no género da oratória sacra, esta obra estreada na Sexta-Feira Santa de 1724 é uma mina inesgotável da qual se continuam a extrair preciosidades musicais e passos de rara intensidade dramática. Como em tantos outros casos na história da música, da pintura e de outras expressões artísticas, uma primeira experiência redunda numa grande obra de arte. Desde o coro introdutório, onde as vozes são precedidas e depois sustidas pela ondulação das cordas e pelo intenso contraponto dos instrumentos de sopro, o ouvinte da Paixão segundo São João é transportado para uma atmosfera de recolhimento a um tempo sublime e trágica. Com direção de Barbara Francke e interpretação dos Solistas, Coro de Câmara e Ensemble Instrumental da ESMAE, Paixão segundo São João representa mais um gesto de profícua colaboração entre esta escola artística da cidade e o TNSJ.

Kommentare

  1. O meu amigo Sebastião era um pachola... deu a "Paixão" para a malta se agradar e tocar na grafonola... Boa! Um artista...

    A obra não dá o que de sua morte sinto:

    Não tivesse Jesus
    desafiado poderes
    professado a igualdade
    expulsado os vendilhões
    arrastado multidões
    e não teria morrido
    de morte tão exposta
    como ainda hoje se mostra

    No fundo, a morte horrível de Cristo
    é uma subliminar mensagem: tenham cuidado, não façam isto...

    O Sebastião
    não compôs esta versão

    AntwortenLöschen
  2. Bom, o concerto vou passar, como é óbvio! Mas gostei aqui do verso do Rogério! :)

    Beijocas e boa música para ti, além de uma Páscoa feliz (com ou sem jejum, minha malandra)!

    AntwortenLöschen
  3. Aproveitamos este tempo da paixão do senhor, para reflectirmos na vida que temos, pois ela é na realidade semelhante á caminhada de Jesus.
    A nossa meninice, as traquinices da juventude, as preocupações do trabalho, da família, o sofrimento e dor que sentimos, quando nos acontece alguma coisa de mal.
    É a vida!
    Sabemos que temos um principio e um fim, (Alfa e Ómega) e pelo meio temos que carregar a cruz que nos está destinada, com a certeza que a alegria da Ressurreição será uma realidade.

    AntwortenLöschen

Kommentar veröffentlichen