Montag, 27. Juni 2011

Mandamentos


Fico honestamente impressionado com a espiritualidade da raça humana. Impressiono-me facilmente com coisas estúpidas, facto que ainda me surpreende um pouco por saber que vivi rodeado de coisas estúpidas toda a minha existência e que as minhas mais vincadas mudanças de personalidade foram todas forçadas pela minha consciência se aperceber cada vez mais da quantidade de coisas estúpidas que existem. Reparando eu ou não, as coisas estúpidas tentaram alterar a minha percepção mais básica do mundo, contaminando-me a razão e querendo-me fazer acreditar que as coisas estúpidas são as mais importantes. E com estas considerações fatalistas, passo-vos a falar de espiritualidade, um tema vago, enigmático, já devidamente documentado e, ainda assim, surpreendentemente polémico. Mas o engenho que possuo com as palavras e a consciência que tenho das suas limitações não me permitem aventurar de ânimo leve por um tema de repercussões filosóficas, metafísicas, científicas e religiosas. Fá-lo-ei com tempo. Por agora, inclinemo-nos um pouco sobre a percepção que as pessoas obtêm perante este debate espiritual.
O que as pessoas captam, antes de mais, é que pode haver vida após a morte. Pode haver. Isto, desde logo, acalma-as profundamente e põe-nas relutantes a alterar a sua perspectiva para algo mais prático, factual e, consequentemente, mentalmente mais reconfortante. Os grandes movimentos espirituais, nos quais incluo as religiões, surgiram todos de dois fardos essenciais: a ignorância e o medo de morrer. O povo Maia, diz-se, adorava e venerava o Sol, pela sua grandiosidade, importância, mas essencialmente pelo desconhecimento da sua origem. Os avanços astronómicos permitiram chegar à conclusão que aquele era um corpo celeste, como tantos outros, como o calhau em que vivemos, e como tal tem de haver algo que nos transcenda a nós e ao Sol. Se além de atentarmos a esta falácia interpretativa, tivermos em conta que o instintivo medo de morrer, enterrado na mais básica das consciências, nos afecta persistentemente, é fácil compreender o fenómeno espiritual. Digo espiritual, não religioso. A existência de algo superior ao humano é premissa aceite dentro de todos os movimentos espirituais, mas surge de formas diferentes. Para uns é um velho numa nuvem que promete felicidade eterna a quem passe infeliz pela terra, mas se porte bem; outros ressuscitarão num corpo de outro ser; outros acreditam apenas na capacidade meditativa que permita a elevação da mente um degrau acima dos demais, de forma a observar os conceitos de morte e eternidade com maior amplitude.
É importante registar que eu, como todos, também tenho um medo medonho da morte. Mas a vida não me assusta particularmente. A única razão pela qual eu tenho medo da morte é porque tenho cem por cento de certeza que significará o fim. Daí que os mais sagazes homens que já partilharam connosco as suas ideias tenham sido homens com uma consciência de finitude enraizada, destruidora, cancerígena. É preciso haver morte para haver bons pensadores e, nessa perspectiva, se o medo da morte significar consciência do fim, então há motivos para pensar que a morte, afinal, nos pode elevar o discernimento.
Mas não para uma larga maioria das pessoas. Na sociedade ocidental, há uma intolerância enorme à dor provocada por buracos espirituais, por dúvidas concretas de resposta inalcançável, pelo que há que tapar essa dor com histórias de moral, céus e infernos, vinhos e cobras, mares e maçãs, gafanhotos e cruzes. As pessoas aceitam estas histórias pela sua simplicidade, pela nobreza das suas palavras, pela importância dos afectos, pela perspectiva de vida eterna.
A religião anuncia o que o povo ambiciona: eternidade, bondade e ilusão, um conjunto irresistível que alimenta o ego e afoga perspectivas de verdadeira iluminação.
Contudo, a grande maioria das pessoas não tem nesta crença um verdadeiro alicerce de actuação moral. Têm, isso sim, a aparência. A distinção padronizada e simplificada do bom e do mau: roubar, beber e gozar é mau; ajudar, aconselhar e perdoar é bom. Aqui assenta a frágil e superficial perspectiva moral da sociedade moderna: uma mistura de valores religiosos e modernas circunstâncias, minada de frequentes desobediências e actuações de gosto duvidoso. É instável, mas acaba por ser confortável: não dá muito trabalho, é de certa forma indiferente o critério com que se interpreta este código moral, desde que a aparência lá esteja, e a vida pode continuar a correr com a sua desrespeitosa indiferença.
Limitar-nos à condição de seres cuja evolução permitiu ter uma perspectiva adulterada pela consciência daquilo que é o tempo, o espaço e nós próprios parece ser pouco ambicioso. Mas não convém esquecer um profundo egoísmo nisto tudo: a devoção à divindade nada mais é do que ambicionar ser uma. Ambicionar ser intemporal, desmedidamente sabedor e emocionalmente desapegado – precisamente as três propriedades que faltam ao ser humano para deixar de sofrer.

Kommentare:

  1. Muito bem escrito, mesmo sendo um assunto sobre o qual não há certezas absolutas, a não ser de ateus convictos ou fanáticos religiosos... :)

    Mas sim, concordo que há uma necessidade humana de prolongar a vida depois da morte, quer em paraísos (ou infernos), ter em teorias da reencarnação. Morrer e acabar logo ali, sendo mau ou bom, é que não pode ser! ;)

    AntwortenLöschen
  2. Em matéria comportamental há sempre que fazer generalizações. São elas que nos permitem o estudo dos vários tipos e, depois, analisar as excepções e desvios. Isso não é uma ciência metodologicamente organizada mas apenas um conjunto de saberes instantâneos e dispersos...

    Anyway, no que me concerne, belíssima dissertação de opinião e das melhores que tenho lido por aí!

    E agora vou-me, pois há que ir investindo na qualidade das relações que estabeleço com coisas, pessoas e lugares à minha volta.

    Ah... já me esquecia, e fundamentalmente a prioridade maior: comigo mesmo... é minha... chamo-lhe espiritualidade...

    ;)

    AntwortenLöschen
  3. Confesso que, ao ver o tamanho do texto, entrei primeiro e li os comentários. Escusado será dizer que fui imediatamente ler...e fi-lo duas vezes.
    Mesmo assim, sinto-me incapaz de comentar, porque demasiado profundo.
    Faz pensar.
    Obrigada pela partilha.
    bji

    AntwortenLöschen
  4. Porque é que é preciso haver morte para haver bons pensadores?
    E porquê pensar então que do medo da morte e consciência do fim, decorre que a morte nos pode elevar o discernimento?

    Encontrei uma teoria semelhante para justificar o sofrimento, que serviria também para nos ensinar algo, que poderia ser a compaixão.

    Sem certezas, o que me revolta na morte, para já, não é tanto o medo do meu fim, mas a perda de outros.

    Quando tinha onze anos e morreu a minha avó, confrontada pela 1ª vez com essa coisa estranha que também nos acontecia a nós, à minha avó, a mim e à minha família que ficávamos sem ela, pensei que se fosse o fim, não queria mais viver. Nessa altura decidi que não conseguia encontrar respostas e ia adiar para mais tarde a sua compreensão. E desde então continuo a adiar e adiar...

    AntwortenLöschen

A minha alegria é o aroma de tangerina nos dedos

Mein Bild
Düsseldorf, Nordrhein-Westfalen, Germany
Lamego foi a cidade que me viu nascer. Porto foi a cidade que me viu crescer. Düsseldorf é a cidade que está a ver-me envelhecer.

OBRIGADA, AFRODITE!

OBRIGADA, AFRODITE!

Blog-Archiv

BLOGOSFERA

EURO 2016

SETEMBRO

SETEMBRO
“Quando todos pensam o mesmo, ninguém pensa muito”
Søren Aabye Kierkegaard

Quem me lê

I – AVÉ-MARIAS

Nas nossas ruas, ao anoitecer,
Há tal soturnidade, há tal melancolia,
Que as sombras, o bulício, o Tejo, a maresia
Despertam-me um desejo absurdo de sofrer.

O céu parece baixo e de neblina,
O gás extravasado enjoa-me, perturba;
E os edifícios, com as chaminés, e a turba
Toldam-se duma cor monótona e londrina.

Batem os carros d'aluguer, ao fundo,
Levando à via férrea os que se vão. Felizes!
Ocorrem-me em revista exposições, países:
Madrid, Paris, Berlim, S. Petersburgo, o mundo!

Semelham-se a gaiolas, com viveiros,
As edificações somente emadeiradas:
Como morcegos, ao cair das badaladas,
Saltam de viga em viga os mestres carpinteiros.

Voltam os calafates, aos magotes,
De jaquetão ao ombro, enfarruscados, secos;
Embrenho-me, a cismar, por boqueirões, por becos,
Ou erro pelos cais a que se atracam botes.

E evoco, então, as crónicas navais:
Mouros, baixéis, heróis, tudo ressuscitado!
Luta Camões no mar, salvando um livro a nado!
Singram soberbas naus que eu não verei jamais!

E o fim da tarde inspira-me; e incomoda!
De um couraçado inglês vogam os escaleres;
E em terra num tinir de louças e talheres
Flamejam, ao jantar, alguns hotéis da moda.

Num trem de praça arengam dois dentistas;
Um trôpego arlequim braceja numas andas;
Os querubins do lar flutuam nas varandas;
Às portas, em cabelo, enfadam-se os lojistas!

Vazam-se os arsenais e as oficinas;
Reluz, viscoso, o rio, apressam-se as obreiras;
E num cardume negro, hercúleas, galhofeiras,
Correndo com firmeza, assomam as varinas.

Vem sacudindo as ancas opulentas!
Seus troncos varonis recordam-me pilastras;
E algumas, à cabeça, embalam nas canastras
Os filhos que depois naufragam nas tormentas.

Descalças! Nas descargas de carvão,
Desde manhã à noite, a bordo das fragatas;
E apinham-se num bairro aonde miam gatas,
E o peixe podre gera focos de infecção!

Cesário Verde

O sentimento de um Ocidental

BIBLIOTECAS

CARTÃO PRÓSPERO

É o nome de uma das mais emblemáticas personagens de Shakespeare: Próspero, o mago de "A Tempestade". Muitos viram nele a encarnação dramática do Bardo de Stratford-upon-Avon e a metáfora do próprio Teatro. Próspero é também o nome de um Cartão que o TNSJ concebeu para servir de presente de Natal ou aniversário.
Entre os benefícios concedidos por este Próspero, contam-se entradas duplas para espetáculos da programação TNSJ, descontos especiais em publicações, e convites para ensaios abertos e actividades paralelas.
Mais informações nas Bilheteiras do TNSJ.

Passeios literários

Lista de boas intenções

Deitar cedo e cedo erguer, dá saúde e faz crescer!

Quero separar-me de tudo aquilo, que não preciso. Só quem larga, tem as mãos livres!

Não guardes para amanhã, o que podes fazer hoje!

Certificado de Participação

Certificado de Participação
"O acaso faz com que essas duas
Que a sorte sempre separou
Se cruzem pela mesma rua
Olhando-se com a mesma dor".
Chico Buarque, "Umas e Outrass"


Livro, um amigo
para brincar comigo,
um navio para viajar,
um jardim para brincar,
uma escola para levar
debaixo do braço.

If I should learn, in some quite casual way
That you were gone, not to return again -
… I should but watch the station lights rush by
With a more careful interest on my face.

Edna St. Vicent Millay

A verdadeira viagem de descoberta consiste não em ver novas paisagens, mas em vê-las com novos olhos.

Marcel Proust

  • Große Bücher haben viele Kerne. Aber wenn Orhan Pamuk noch irgendetwas aus dieser Zeit besitzt, vielleicht ein Teeglas, dessen Rand sich noch immer an die süßen Lippen und den kleinen Mund der Schwarzen Rose erinnern kann, als sei er gestern davon berührt worden, dann werden wir dieses Glas eines Tages im Museum der Unschuld sehen und uns an die Zauberworte erinnern, die sein Schlaf geboren hat.
O caminho para todas as coisas grandiosas passa pelo silêncio.

Friedrich Nietzsche

ZEIT ZUM LESEN

ZEIT ZUM LESEN
Seit 4. September 2008 probiert Teresa ihr neues BÄREN Leben aus!

Demasiada pequena para pensar em Deus
Demasiada segura de si mesma para pensar em Deus
Demasiada enamorada para pensar em Deus
Demasiada ocupada para pensar em Deus
Demasiada cansada para pensar em Deus
- demasiado tarde para pensar em Deus
Like sands thru the hour glass so are the days of our lives.

Nada te perturbe,
Nada te espante,
Tudo passa,
Deus não muda,
A paciência tudo alcança;
Quem a Deus tem
Nada lhe falta:
Só Deus basta.

Eleva o pensamento,
Ao céu sobe,
Por nada te angusties,
Nada te perturbe.

Stª Teresa D'Ávila
“Quando todos pensam o mesmo, ninguém pensa muito” Søren Aabye Kierkegaard

Escrever é pura e simplesmente uma maneira de criar imagens multicolores!

Muito obrigada, Tossan!

Muito obrigada, Tossan!

Muito obrigada à Edna pela nomeação

Muito obrigada à Edna pela nomeação

Muito obrigada à Cleopatra Moon pela nomeação!

Muito obrigada à Cleopatra Moon pela nomeação!

Da minha amiga de sempre a Isabel Cabral!

Da minha amiga de sempre a Isabel Cabral!

Directo do Porto para Düsseldorf do Artista Maldito com a benção do Joseph Beuys

Directo do Porto para Düsseldorf do Artista Maldito com a benção do Joseph Beuys

Da TETÉ

Da TETÉ

DIA DA TERRA

"Eu saí da Terra três vezes. E eu descobri que não há outro lugar para ir", disse o astronauta Wally Schirra

FONTES

Do ARTISTA MALDITO

Do ARTISTA MALDITO

Do Artista Maldito

Do Artista Maldito

EMATEJOCA

Jardim de Amizade

Jardim de Amizade

MASP em São Paulo



Bookmark and Share

OBRIGADA, PÓ DE ESTRELA!

OBRIGADA, PÓ DE ESTRELA!

RENASCER

RENASCER
Obrigada, Pó de Estrela
Algumas imagens colocadas no blog são tiradas da net.
Se alguém for proprietário e for contra a publicação por favor deixe um aviso.
Obrigada

Obrigada, Carlos Albuquerque

Obrigada, Carlos Albuquerque

Um tesouro azul

Da BLUE VELVET

Da BLUE VELVET

GALERIA PRÉMIOS E SÊLOS

GALERIA PRÉMIOS E SÊLOS

caça aos políticos

Obrigada, Papoila!

Obrigada, Papoila!

Obrigada, Teresa!

Obrigada, Teresa!

OBRIGADA, BLUE VELVET!

OBRIGADA, BLUE VELVET!

Muito obrigada, Teté!

Muito obrigada, Teté!

Fundação Eugénio de Andrade

O meu Anjo de Natal

O meu Anjo de Natal

MÚSICA

Diz que não gosta de música clássica?

A justiça começa em casa.

FORTUNA DÜSSELDORF

FORTUNA DÜSSELDORF

É nacional? Vamos comprar!

Está provado que se cada português consumir 100 EUR de produtos nacionais por mês a economia cresce acima de todas as estimativas e ainda cria 1 posto de trabalho!

Por favor, quando for ao supermercado, dê preferência aos produtos de fabrico Português.
Se não sabe quais são, verifique sempre o CÓDIGO DE BARRAS:

TODOS OS PRODUTOS PORTUGUESES COMEÇAM POR "560" NO CÓDIGO DE BARRAS!

Obrigada, Beatriz!

Obrigada, Beatriz!
A 83ª cerimónia dos Óscares está marcada para o dia 27 de Fevereiro, no Kodak Theatre, em Los Angeles, Califórnia, sendo os nomeados conhecidos em Janeiro.

Ars Homo Erotica em Varsóvia

selo "ematejoca azul"

There is no path you create it once you set out to walk it