Sonntag, 19. Juni 2011

Velho rezingão

Saramago teve o azar da ousadia. Uma ousadia bem mais burlesca que as dos demais génios literários.
Descansem os mais pudicos. Quando falo de ousadia, estou muito longe de referir as considerações que Saramago fez sobre o fenómeno religioso, mormente o judaico-cristão. As vozes que condenam tais blasfémias são incultas ao ponto de ignorar que aquilo que Saramago evidenciou já havia sido manifestado há muito tempo. O facto de Saramago ser condenado, no áureo e próspero século XXI, pelas suas hereges interpretações de episódios e ensinamentos bíblicos, choca se analisarmos cruamente, mas está longe de espantar.
Também não falo da presumida falta de portugalidade de Saramago. Apenas em Portugal o sentimento patriótico, herança inegável do nacionalismo colonial, se consegue sobrepor à grandeza literária. Quem leu Saramago sabe que este amou Portugal com desmedida gratidão. Quem absorveu Saramago sabe reconhecer que, navegando no mar de sarcasmo embriagante que são os seus livros, os grandes sobressaltos surgem exactamente nos momentos de reflexão, consideração, descrição, condenação ou exaltação do povo português. É a falar de Portugal, ou, mais sorrateiramente, do povo lusitano, que a escrita de Saramago mais atinge uma arrebatante perfeição expositiva. Bem vistas as coisas, Saramago – o escritor, bem entendido – só poderia ser português. A oralidade da sua escrita só poderia ter sido herdada da expressividade discursiva de um português. Um português fala sem parar; Saramago escreve sem parar. Parece-me indissociável.
Quando vos falo de ousadia, falo-vos de uma em particular que, pela raridade, merece que seja lembrada. A ousadia de Saramago foi nunca se ter refugiado na grandeza dos seus livros.
Passo a explicar: Saramago tem uma eloquência prosaica sem par na recente literatura nacional. Considerando a irreverência temática e gramatical, única característica captada pelos mais distraídos, à qual acrescentamos o sempre dúbio prémio da academia sueca, é natural a mediatização da sua figura. Aqui assenta o dilema: ou o escritor se esconde da esfera mediática, limitando a sua imagem pública àquilo que o seu engenho artístico concebe; ou, por outro lado, encara o mediatismo como um processo bidireccional, em que as suas palavras – de Saramago pessoa, não escritor – poderão ter alguma repercussão no povo que as ouve.
Saramago optou pela segunda hipótese. E, ao fazê-lo, fez o que todos fazemos perante outros seres humanos: construiu uma persona e deixou-se orientar por ela diante dos demais. A máscara que escolheu, essa, é questionável. O seu radicalismo trotskista é incomodativo, tremendamente irritante até, e o seu idealismo humano, ainda que louvável, é atípico num homem de tal sagacidade. Mas há sobretudo que destacar que Saramago optou por se expor com estes hiperbólicas assumpções, indo para além daquilo que foi a sua mensagem escrita, mais do que suficiente para o consagrar.
Dirão os leitores, sempre atentos, que não é rara a utilização da fama para a criação de uma máscara persuasiva. Discordo; este abuso é raro, sim. Entre os génios. E Saramago foi um. Mais um que se poderia ter abrigado no reconforto de uma obra reconhecidamente de excelência e de uma jornalista espanhola que tratava dele como de um marajá. Não o fez, ousou extrapolar a sua dificilmente superável palavra escrita com ideias faladas, e ter-se-á dado mal, pelo menos em Portugal, país que abandonou por não aceitar histórias de cobras falantes e insuspeitos milagres com a passividade desejada.
Era um homem terrivelmente exagerado. Provavelmente, nem sequer era boa companhia. Fez, porém, um estonteante malabarismo entre a fama e a eternidade. É importante separar, assim, valores distintos. Há valores humanos, políticos e espirituais. E há o valor literário. Se Saramago tivesse sido um ateu comunista, mas dos idiotas - e eles existem - poderia ser lembrado pela controvérsia. Mas a grande literatura tem a peculiar capacidade de sobreviver às mais apocalípticas histerias. E quando passar a tempestade que Saramago – humano - provocou com as suas acintosas apreciações, restarão sempre as lombadas beges de Saramago – escritor - para lembrar que aquele fervoroso e impertinente velho rezingão era, no fundo, um apagado sonhador.

Diogo Hoffbauer Malheiro Dias

Kommentare:

  1. Foi o autor de "Velho rezingão" que me anunciou a morte do José Saramago, quando entrou na sala, meio transtornado como se tratasse da morte de um familiar.

    AntwortenLöschen
  2. Concordo com todo o texto de Diogo Hoffbauer Malheiro Dias com excepção das 3 últimas palavras de onde eu excluiria apagado.

    AntwortenLöschen
  3. o tempo, esse grande escultor, modelará tudo - e ficarão decerto as suas palavras escritas.

    ... e não se esqueça de tomar diariamente um profilático muito eficaz:
    http://poediapoedia.blogspot.com/
    :)

    AntwortenLöschen
  4. O apagado parece-me manifestamente exagerado,Teresa. Quanto ao resto, não discordo em absoluto. Apenas pequenos detalhes que o cheiro intenso a férias me impedem de cmentar detalhadamente.

    AntwortenLöschen
  5. O azarado burlesco;
    O herege que não espanta;
    O sarcástico embriagante;
    O falador sorrateiro sobre o povo lusitano;
    O eloquente prosaico;
    O sempre dúbio prémio da academia sueca;
    O radical trotskista
    O irritante
    O terrivelmente exagerado
    O estonteante malabarista
    O velho rezingão
    O apagado sonhador

    Depois deste rol de adjectivos a melhor pérola dessa escrita:
    ...Mas a grande literatura tem a peculiar capacidade de sobreviver às mais apocalípticas histerias. E quando passar a tempestade que Saramago – humano - provocou com as suas acintosas apreciações, restarão sempre as lombadas beges de Saramago..."

    Restará mais que isso, pode esse seu citado crer.

    AntwortenLöschen
  6. Nunca escondi o facto de não gostar nada de José Saramago.
    Como pessoa e como escritor.
    Não é por causa de ter morrido que mudo a minha opinião acerca dele.

    AntwortenLöschen
  7. Dicotomia interessante...

    Se se lesse apenas escritores com dimensão de Homem - rectidão, simplicidade, humildade, reconhecimento honesto do mérito alheio - quem leria Saramago e Lobo Antunes?

    Entre um bom escritor e um bom Homem, a ter de optar, continuo a escolher este último.

    Mas isso sou eu...

    ;)

    AntwortenLöschen
  8. O Rogério não compreendeu o texto do Diogo, pois se há alguém que admire e conheça profundamente a obra do José Saramago é o Diogo, ou melhor, toda a família Malheiro Dias.
    Quase todos os livros que tenho do nosso Nobel foram ofertas dessa família.
    Tivemos já mais de mil disputas por eu apreciar muito mais o escritor-intelectual António Lobo Antunes.

    Foi o Diogo que me anúnciou, meio transtornado e com as lágrimas nos olhos, a morte do Saramago, pois que eu me encontrava nesse dia na casa dele em Vila-Nova-de Gaia.

    Que o Rogério não desse a oportunidade aos seus leitores de lerem o texto na íntegra, também não foi um "fair play"!!!
    Pois quando se fazia clique na "casa amiga" aparecia a caricatura do Saramago.

    Na minha opinião, o rapaz escreve MUITO BEM, e sabe se lá se não será o nosso próximo Nobel da Literatura. O escritor Mário Claudio já lhe reconheceu o talento.

    O futuro de Portugal está nas mãos de jovens como o Diogo e não nas mãos da geração rasca que o Rogério tanto gosta.

    Há um provérbio alemão que diz, que nunca se deve enfurecer uma mulher, porque a vingança dela é terrível!!!

    AntwortenLöschen

A minha alegria é o aroma de tangerina nos dedos

Mein Bild
Düsseldorf, Nordrhein-Westfalen, Germany
Lamego foi a cidade que me viu nascer. Porto foi a cidade que me viu crescer. Düsseldorf é a cidade que está a ver-me envelhecer.

OBRIGADA, AFRODITE!

OBRIGADA, AFRODITE!

Blog-Archiv

BLOGOSFERA

EURO 2016

SETEMBRO

SETEMBRO
“Quando todos pensam o mesmo, ninguém pensa muito”
Søren Aabye Kierkegaard

Quem me lê

I – AVÉ-MARIAS

Nas nossas ruas, ao anoitecer,
Há tal soturnidade, há tal melancolia,
Que as sombras, o bulício, o Tejo, a maresia
Despertam-me um desejo absurdo de sofrer.

O céu parece baixo e de neblina,
O gás extravasado enjoa-me, perturba;
E os edifícios, com as chaminés, e a turba
Toldam-se duma cor monótona e londrina.

Batem os carros d'aluguer, ao fundo,
Levando à via férrea os que se vão. Felizes!
Ocorrem-me em revista exposições, países:
Madrid, Paris, Berlim, S. Petersburgo, o mundo!

Semelham-se a gaiolas, com viveiros,
As edificações somente emadeiradas:
Como morcegos, ao cair das badaladas,
Saltam de viga em viga os mestres carpinteiros.

Voltam os calafates, aos magotes,
De jaquetão ao ombro, enfarruscados, secos;
Embrenho-me, a cismar, por boqueirões, por becos,
Ou erro pelos cais a que se atracam botes.

E evoco, então, as crónicas navais:
Mouros, baixéis, heróis, tudo ressuscitado!
Luta Camões no mar, salvando um livro a nado!
Singram soberbas naus que eu não verei jamais!

E o fim da tarde inspira-me; e incomoda!
De um couraçado inglês vogam os escaleres;
E em terra num tinir de louças e talheres
Flamejam, ao jantar, alguns hotéis da moda.

Num trem de praça arengam dois dentistas;
Um trôpego arlequim braceja numas andas;
Os querubins do lar flutuam nas varandas;
Às portas, em cabelo, enfadam-se os lojistas!

Vazam-se os arsenais e as oficinas;
Reluz, viscoso, o rio, apressam-se as obreiras;
E num cardume negro, hercúleas, galhofeiras,
Correndo com firmeza, assomam as varinas.

Vem sacudindo as ancas opulentas!
Seus troncos varonis recordam-me pilastras;
E algumas, à cabeça, embalam nas canastras
Os filhos que depois naufragam nas tormentas.

Descalças! Nas descargas de carvão,
Desde manhã à noite, a bordo das fragatas;
E apinham-se num bairro aonde miam gatas,
E o peixe podre gera focos de infecção!

Cesário Verde

O sentimento de um Ocidental

BIBLIOTECAS

CARTÃO PRÓSPERO

É o nome de uma das mais emblemáticas personagens de Shakespeare: Próspero, o mago de "A Tempestade". Muitos viram nele a encarnação dramática do Bardo de Stratford-upon-Avon e a metáfora do próprio Teatro. Próspero é também o nome de um Cartão que o TNSJ concebeu para servir de presente de Natal ou aniversário.
Entre os benefícios concedidos por este Próspero, contam-se entradas duplas para espetáculos da programação TNSJ, descontos especiais em publicações, e convites para ensaios abertos e actividades paralelas.
Mais informações nas Bilheteiras do TNSJ.

Passeios literários

Lista de boas intenções

Deitar cedo e cedo erguer, dá saúde e faz crescer!

Quero separar-me de tudo aquilo, que não preciso. Só quem larga, tem as mãos livres!

Não guardes para amanhã, o que podes fazer hoje!

Certificado de Participação

Certificado de Participação
"O acaso faz com que essas duas
Que a sorte sempre separou
Se cruzem pela mesma rua
Olhando-se com a mesma dor".
Chico Buarque, "Umas e Outrass"


Livro, um amigo
para brincar comigo,
um navio para viajar,
um jardim para brincar,
uma escola para levar
debaixo do braço.

If I should learn, in some quite casual way
That you were gone, not to return again -
… I should but watch the station lights rush by
With a more careful interest on my face.

Edna St. Vicent Millay

A verdadeira viagem de descoberta consiste não em ver novas paisagens, mas em vê-las com novos olhos.

Marcel Proust

  • Große Bücher haben viele Kerne. Aber wenn Orhan Pamuk noch irgendetwas aus dieser Zeit besitzt, vielleicht ein Teeglas, dessen Rand sich noch immer an die süßen Lippen und den kleinen Mund der Schwarzen Rose erinnern kann, als sei er gestern davon berührt worden, dann werden wir dieses Glas eines Tages im Museum der Unschuld sehen und uns an die Zauberworte erinnern, die sein Schlaf geboren hat.
O caminho para todas as coisas grandiosas passa pelo silêncio.

Friedrich Nietzsche

ZEIT ZUM LESEN

ZEIT ZUM LESEN
Seit 4. September 2008 probiert Teresa ihr neues BÄREN Leben aus!

Demasiada pequena para pensar em Deus
Demasiada segura de si mesma para pensar em Deus
Demasiada enamorada para pensar em Deus
Demasiada ocupada para pensar em Deus
Demasiada cansada para pensar em Deus
- demasiado tarde para pensar em Deus
Like sands thru the hour glass so are the days of our lives.

Nada te perturbe,
Nada te espante,
Tudo passa,
Deus não muda,
A paciência tudo alcança;
Quem a Deus tem
Nada lhe falta:
Só Deus basta.

Eleva o pensamento,
Ao céu sobe,
Por nada te angusties,
Nada te perturbe.

Stª Teresa D'Ávila
“Quando todos pensam o mesmo, ninguém pensa muito” Søren Aabye Kierkegaard

Escrever é pura e simplesmente uma maneira de criar imagens multicolores!

Muito obrigada, Tossan!

Muito obrigada, Tossan!

Muito obrigada à Edna pela nomeação

Muito obrigada à Edna pela nomeação

Muito obrigada à Cleopatra Moon pela nomeação!

Muito obrigada à Cleopatra Moon pela nomeação!

Da minha amiga de sempre a Isabel Cabral!

Da minha amiga de sempre a Isabel Cabral!

Directo do Porto para Düsseldorf do Artista Maldito com a benção do Joseph Beuys

Directo do Porto para Düsseldorf do Artista Maldito com a benção do Joseph Beuys

Da TETÉ

Da TETÉ

DIA DA TERRA

"Eu saí da Terra três vezes. E eu descobri que não há outro lugar para ir", disse o astronauta Wally Schirra

FONTES

Do ARTISTA MALDITO

Do ARTISTA MALDITO

Do Artista Maldito

Do Artista Maldito

EMATEJOCA

Jardim de Amizade

Jardim de Amizade

MASP em São Paulo



Bookmark and Share

OBRIGADA, PÓ DE ESTRELA!

OBRIGADA, PÓ DE ESTRELA!

RENASCER

RENASCER
Obrigada, Pó de Estrela
Algumas imagens colocadas no blog são tiradas da net.
Se alguém for proprietário e for contra a publicação por favor deixe um aviso.
Obrigada

Obrigada, Carlos Albuquerque

Obrigada, Carlos Albuquerque

Um tesouro azul

Da BLUE VELVET

Da BLUE VELVET

GALERIA PRÉMIOS E SÊLOS

GALERIA PRÉMIOS E SÊLOS

caça aos políticos

Obrigada, Papoila!

Obrigada, Papoila!

Obrigada, Teresa!

Obrigada, Teresa!

OBRIGADA, BLUE VELVET!

OBRIGADA, BLUE VELVET!

Muito obrigada, Teté!

Muito obrigada, Teté!

Fundação Eugénio de Andrade

O meu Anjo de Natal

O meu Anjo de Natal

MÚSICA

Diz que não gosta de música clássica?

A justiça começa em casa.

FORTUNA DÜSSELDORF

FORTUNA DÜSSELDORF

É nacional? Vamos comprar!

Está provado que se cada português consumir 100 EUR de produtos nacionais por mês a economia cresce acima de todas as estimativas e ainda cria 1 posto de trabalho!

Por favor, quando for ao supermercado, dê preferência aos produtos de fabrico Português.
Se não sabe quais são, verifique sempre o CÓDIGO DE BARRAS:

TODOS OS PRODUTOS PORTUGUESES COMEÇAM POR "560" NO CÓDIGO DE BARRAS!

Obrigada, Beatriz!

Obrigada, Beatriz!
A 83ª cerimónia dos Óscares está marcada para o dia 27 de Fevereiro, no Kodak Theatre, em Los Angeles, Califórnia, sendo os nomeados conhecidos em Janeiro.

Ars Homo Erotica em Varsóvia

selo "ematejoca azul"

There is no path you create it once you set out to walk it