O INVERNO


— Velho, velho, velho.

Chegou o inverno.

Vem de sobretudo,
vem de cachecol,
o chão onde passa
parece um lençol.

Esqueceu as luvas
perto do fogão:
quando as procurou,
roubara-as um cão.

Com medo do frio,
encosta-se a nós:
dai-lhe café quente
senão perde a voz.

Velho, velho, velho
Chegou o inverno.

Eugénio de Andrade

Kommentare

  1. Hoje a minha net anda marada de todo!

    Também li esse poema por aí, mas não é para admirar, que hoje e durante mais 88 dias é Inverno... :)

    Beijocas!

    AntwortenLöschen
  2. Ah, esquecia o nosso Eugénio...

    Estava distraído
    olhando seu Anjo de Natal
    pelo está equipado para ir a Belém
    Não sei se fazer mal
    se fazer bem
    Tomara não acorde tão cedo...

    AntwortenLöschen
  3. O grande Eugénio (tinha sal na língua...)!

    ;)


    Tens bom gosto.

    AntwortenLöschen
  4. Infelizmente, os meus favoritos raramente são citados, quer em "blogs", quer na imprensa...

    AntwortenLöschen
  5. Por volta do dia 22 de dezembro, ocorre no Hemisfério Norte o solstício de inverno, data do ano em que o Sol atinge o maior grau de afastamento angular do equador. O fenómeno astronómico é usado para marcar o início do inverno. No Hemisfério Sul, a data marca o início do verão.

    AntwortenLöschen
  6. Pelo menos por cá o Inverno promete dar-nos uma trégua pelo Natal.

    FELIZ NATAL

    AntwortenLöschen
  7. Querida Teresa!

    Eugénio de Andrade é um dos meus poetas preferidos.

    Não gosto nada do Inverno, mas deste poema sim!

    Amiga, se quiseres rever Moledo mas em pleno dia de Inverno, espreita aqui - http://pelasuica.wordpress.com/

    Beijinhos

    AntwortenLöschen
  8. Não vejo a hora da chegada do verão!

    AntwortenLöschen

Kommentar veröffentlichen