Ler Saramago

Deu naquelas palavras clara mostra o arcebispo de Braga de saber que Deus
e Alá é tudo o mesmo, e que remontando ao tempo em que nada e ninguém tinham nome, então não se encontrariam diferenças entre mouros e cristãos senão as que se podem encontrar entre homem e homem, cor, corpulência, fisionomia, mas o que provavelmente não terá pensado o prelado, nem tanto
lho poderíamos exigir, tendo em conta o atraso intelectual e o analfabetismo generalizado daquelas épocas, é que os problemas sempre começam quando entram em cena os intermediários de Deus, chamem-se eles Jesus ou Maomé, para não falar de profetas e anunciadores menores.

História do Cerco de Lisboa, Caminho, 3ª edição, p. 202.

Kommentare

  1. Excelente e muito verdadeiro este excerto de Saramago.
    Boa escolha, amiga.
    Beijinhos

    AntwortenLöschen

Kommentar veröffentlichen