António Botto um dos meus poetas preferidos faleceu há meio século

Andava a lua nos céus
Com o seu bando de estrelas

Na minha alcova
Ardiam velas
Em candelabros de bronze

Pelo chão em desalinho
Os veludos pareciam
Ondas de sangue e ondas de vinho

Ele, olhava-me cismando;
E eu,
Plácidamente, fumava,
Vendo a lua branca e nua
Que pelos céus caminhava.

Aproximou-se; e em delírio
Procurou avidamente
E avidamente beijou
A minha boca de cravo
Que a beijar se recusou.

Arrastou-me para ele,
E encostado ao meu hombro
Falou-me de um pagem loiro
Que morrera de saudade
À beira-mar, a cantar...

Olhei o céu!

Agora, a lua, fugia,
Entre nuvens que tornavam
A linda noite sombria.

Deram-se as bocas num beijo,
Um beijo nervoso e lento...
O homem cede ao desejo
Como a nuvem cede ao vento

Vinha longe a madrugada.

Por fim,
Largando esse corpo
Que adormecera cansado
E que eu beijara, loucamente,
Sem sentir,
Bebia vinho, perdidamente
Bebia vinha..., até cair.

António Botto
Aves de Um Parque Real
As Canções de António Botto
Editorial Presença
1999

50 Anos da minha morte

O dia 16 de Março de 1959 é um dia triste para mim. Assinala-se o 50º aniversário da minha morte, desde que naquele longínquo e fatídico ano de 1959 um carro tirou-me a vida.
Felizmente que a minha memória não tem sido esquecida e na biblioteca municipal em Abrantes que tem o meu nome irão acontecer várias iniciativas para assinalar esta triste data:
- Entre 2 e 27 de Março, uma exposição evocativa sobre a minha vida e obra;
- No dia 16 de Março, às 21h30, uma conferência sobre mim por Margarida Mateus, que teve a gentileza de estudar a minha obra e agora falar dela com toda a propriedade;
- A 18 de Março, uma acção de formação para mediadores de leitura, onde professores e demais pedagogos poderão aprender a "ler-me";
- Nos dias 5, 6, 12 e 13 as crianças das escolas abrantinas poderão vir à Biblioteca brincar comigo e descobrir a minha obra.

Lanço-lhe agora, como poeta e filho de Abrantes, um apelo: não deixe de participar nestas actividades. O meu corpo morreu mas a minha alma permanece eterna. Tal como a minha obra e a minha memória. Não deixe que eles desapareçam...
Inscrições para Biblioteca Municipal António Botto, Serviço de Animação, 241 379 991 ou animacao@bmab.cm-abrantes.pt.

Kommentare

  1. O mais importante na vida
    É ser-se criador – criar beleza.

    Para isso,
    É necessário pressenti-la
    Aonde os nossos olhos não a virem.

    Eu creio que sonhar o impossível
    É como que ouvir uma voz de alguma coisa
    Que pede existência e que nos chama de longe.

    Sim, o mais importante na vida
    É ser-se criador.
    E para o impossível
    Só devemos caminhar de olhos fechados
    Como a fé e como o amor.

    António Botto

    AntwortenLöschen

Kommentar veröffentlichen