O corpo de Afonso Tiago foi descoberto no fundo do rio Spree, em Berlim

O corpo do jovem engenheiro português Afonso Tiago, desaparecido a 10 de Janeiro, foi hoje encontrado pela polícia de Berlim no fundo do rio Spree, na mesma cidade. Que trágica notícia.
Em Janeiro a Patti mandou-me um @-mail a contar-me do caso e a saber se eu conhecia alguém em Berlim. Claro que não, tirando a senhora da Pensão, onde fico sempre, quando estou em Berlim. Paris fica mais perto de Düsseldorf do que Berlim.
Entretanto postei no ematejoca - o blogue alemão - um vídeo sobre o desaparecimento do nosso compatriota. Sempre tive esperanças - ou talvez nem as tivesse, mas queria tê-las - que ele aparecesse, uma vez que Berlim é uma das cidade menos perigosa da Alemanha. Claro que ainda não se sabe se foi crime ou acidente. Eu penso que foi um acidente. De qualquer maneira uma notícia muito triste.

Corpo de Afonso Tiago não indicia violência nem roubo

O corpo do português Afonso Tiago, que estava desaparecido desde Janeiro, foi encontrado a flutuar no rio Spree, próximo da ponte Schillingbrucke, em Berlim, sem apresentar sinais evidentes de agressão e tendo nos bolsos os seus dois telemóveis e os documentos, revelaram ao PÚBLICO amigos seus a viver na capital alemã.

João Gonzaga, que vive em Berlim e é amigo da família de Afonso Tiago, bem como Ivo do Carmo, amigo do Afonso e a última pessoa que o viu na madrugada em que desapareceu, relataram aquelas circunstâncias por telefone. Gonzaga contou que foi contactado, cerca das 14h de Lisboa, pelo agente da polícia local que tem feito a ligação com a família e os amigos, que o informou do aparecimento do corpo e da ausência de indícios de agressão e de roubo.

Em Janeiro, na data do desaparecimento de Afonso Tiago (na madrugada de 9 para 10), a superfície do rio Spree encontrava-se em grande parte gelada, estando apenas aberto um canal no meio para permitir a navegação, lembrou João Gonzaga. Do local onde se despediu de Ivo do Carmo até sua casa, Afonso Tiago teria de atravessar o rio, o que poderia fazer pela ponte Schillingbrucke ou pela Oberbaum – mas a primeira era apontada como mais provável.

A noite era de Lua cheia, estavam 18 graus negativos. Afonso Tiago tinha ido para a zona de Friedrichshain, onde há algumas discotecas de música electrónica, mas a certa altura decidiu não continuar a noite com os amigos. Às 3h40 despediu-se de um dos companheiros, Ivo do Carmo, junto à estação de comboios Ostbahnhof, perto do maior pedaço que resta do muro que até há 20 anos dividiu Berlim.

Dado o corpo não indiciar sinais de violência nem de roubo, João Gonzaga sente-se mais inclinado a pensar que se tratou de um acidente. “Não sei o que hei-de pensar. Tento pensar positivo e não pensar que alguém matou o Afonso”, explicou ao PÚBLICO este amigo da família que vive em Berlim e foi muito activo na divulgação do desaparecimento.

“Penso que foi um acidente. (...) Não sei o que é que a polícia vai dizer para a semana”, depois da autópsia que já foi anunciada, disse ainda Gonzaga, que avançou com a hipótese de Afonso Tiago ter caído da ponte ou da margem do rio, ou mesmo de ter caminhado sobre o gelo.

Disse que o corpo foi encontrado à direita da ponte (para quem faz o percurso da discoteca para casa de Afonso) e lembrou também que já tinha havido buscas, infrutíferas, à esquerda da ponte para quem a atravessa naquele sentido, junto a uma discoteca que não era aquela onde o grupo de amigos tinha ido.

Kommentare

  1. Destino trágico o deste rapaz. Uma infelicidade para a família.

    A minha solidariedade para com a comunidade portuguesa na Alemanha.

    Beijinho
    Isabel

    AntwortenLöschen
  2. Que trsiteza; ainda tinha esperança que nada se tivesse passado com ele...

    Obrigada pelo post.

    AntwortenLöschen
  3. ._______querida Teresa



    isto é muito triste.trágico

    _____resta saber se alguma vez se virá a saber a verdade____o que aconteceu de verdade!?!

    ________o que nunca deveria ter acontecido








    beijO_____ternO
    bFsemana

    AntwortenLöschen
  4. O Presidente da República fez recentemente referência ao caso, durante a sua visita à Alemanha, dizendo que as autoridades alemãs
    incluíam o desaparecimento de Afonso Tiago na categoria de casos que designam como “bruxedo”, ou seja, algo “que não conseguem explicar”.

    "bruxedo"??? Que grande parvoíce, Sr. Presidente! Valha-nos Deus, mas o Sr. Presidente traduziu mal o que as autoridades alemãs lhe disseram.

    AntwortenLöschen
  5. Infelizmente, tanto tempo depois também não acreditei que estivesse vivo: isto porque sendo um rapaz de bem, segundo todos, não deixaria os familiares e amigos nesta aflição toda durante tanto tempo.

    Os acidentes acontecem, mas resta ver o seguimento do que a autópsia vai descobrir.

    Beijinhos!

    AntwortenLöschen
  6. Tanto tempo desaparecido nao podia ser bom sinal.

    AntwortenLöschen

Kommentar veröffentlichen