OS AVIÕES

Na noite de luar o avião passa como um prodígio,
Rápido, inofensivo e violento.

Ele enche de clamor o sossego branco dos muros onde moro,
Ele enche de espanto
O halo azul da noite exterior.

Mas depressa passa o pássaro vibrante,
De novo tomba a lua sobre as flores
E o cipreste contempla o seu próprio silêncio.

Sofia de Mello Breiner Andresen
"Antologia"

Kommentare

  1. BOM DIA

    A Sophia de Mello Breyner deixou-nos a melhor poesia.

    Na simplicidade aparente ela consegue transformar a paisagem do próprio poema em sucessivas metamorfoses que se desdobram em dicotomias do modernismo: o artificial e o natural, o tempo e o espaço.

    Beijinhos,
    Isabel

    AntwortenLöschen
  2. Escolhi esta poesia por hoje ser o Dia de Homenagem a Gago Coutinho
    - e também por a Sophia deixar o seu tema preferido: o M A R!

    AntwortenLöschen
  3. Voar,voar, voar... nas asas do sonho... o mais belo de todos os voos.
    Sorrisos radiosos :))

    AntwortenLöschen
  4. Uma paixão comum o mar e o ar.
    Por isso aprecio tanto a poesia da Sophia, e a maneira clara e transparente com que ela sempre escreveu.
    Abraço
    isabel

    AntwortenLöschen
  5. Olá Teresa: em resposta à sua pergunta, está completamente certa, sou realmente professora de História do 3º ciclo e secundário!
    Beijinhos.

    AntwortenLöschen
  6. Andar de avião é sinónimo de dor de cabeça, de fome, de emoção, de pessoas enervantes - os restantes passageiros, e de dinheiro.
    vivam os avioes, que ainda com todos estes sinonimos, sao o meio de transporte mais seguro no mundo.

    AntwortenLöschen
  7. Já viu este Blogue sobre Gago Coutinho penso que se trata do Historiador que
    está a fazer uma tese sobre o navegador?

    http://gagocoutinho.wordpress.com/

    Cumprimentos

    Ana Santos

    AntwortenLöschen

Kommentar veröffentlichen