British Library lança testemunhos orais dos maiores escritores de língua inglesa do séc. XX


A gravação inédita da escritora Virginia Wolf é uma das raridades disponibilzadas pela colecção da British Library

Gravações raras e algumas inéditas da voz alguns dos maiores escritores do séc. XX vão ser lançadas amanhã pela British Library, em Londres. As 57 gravações das vozes de escritores como John Steinbeck, Arthur Conan Doyle, Evelyn Waugh, Arthur Miller, e Vladimir Nabokov são algumas das que podem ser ouvidas pela primeira vez numa colecção.
A colecção com três CD’s revela em primeira mão e na primeira pessoa o testemunho de 30 escritores britânicos e 27 norte-americanos, que pela primeira vez podem ser ouvidos desde que falaram em frente ao microfone. A maioria provém de arquivos da BBCRadio 4, mas também existem alguns inéditos de rádios americanas e arquivos pessoais.
A colecção “The Spoken Word: British Writers” inclui verdadeiras preciosidades como a única gravação integral que existe da escritora Virgínia Wolf em que considera que “talvez a única razão pela qual não temos nenhum grande poeta, novelista ou critico literário é porque negamos às palavras o direito à sua liberdade”.
Também inédita é a única gravação com a voz de Sir Arhtur Conan Doyle, o criador da personagem de Sherlock Holmes, em que tenta explicar a importância do espiritualismo e a existência da telepatia. JRR Tolkien, por seu lado, mostra-se inquieto sobre se será recordado pelo livro “The Lord of the Rings” (“O Senhor dos Anéis”, em português) ou pela sua carreira académica.
“Abrimos uma verdadeira arca do tesouro” disse citado pelo “Guardian” online, Richard Fairmain, responsável pelo arquivo de som da British Library. “A razão pela qual as pessoas adoram ouvir estes CD’s é porque lemos estes autores e sentimos que os conhecemos o suficiente através do seu trabalho. Mas quando os ouvimos falar é como conhecê-los pessoalmente. Não é tão bom como se estivessem a falar directamente para nos, mas não é nada mau.”
Vozes que podem ser “música para os ouvidos”
Quanto às “preciosidades” presentes na segunda colecção “The Spoken Word: American Writers” pode ouvir-se Tenesse williams a reflectir sobre os altos e baixos da sua carreira na Broadway. Arthur Miller fala do seu casamento com Marylin Monroe. E ainda se podem ouvir uma das únicas três gravações existentes da voz do escritor de clássicos como o “Great Gatsby”, F.Scott Fitzgerald.
Segundo Fairman esta nova colecção audio da British Library é a maior pesquisa de registos históricos de autores de língua inglesa alguma vez lançada. “Com inúmeras gravações inéditas da BBC seleccionadas pelo arquivo de som da British Library, esta compilação oferece uma visão fascinante nas vidas e trabalho destes grandes escritores e autores.”
Na maioria das gravações os autores falam das suas carreiras, de politica, e da sua arte. O maior privilégio estará em perceber pequenas subtilezas no modo como falam e pensam os escritores através dos seus testemunhos e dos tons de voz que utilizam. Por exemplo, Vladimir Nabokov o autor de “Lolita” responde as perguntas que lhe sao feitas scomo se recitasse poesia. Gertrude Stein mostra uma grande semelhança entre a maneira como fala e escreve.
Também como exemplo de uma raridade a que dificilmente teríamos acesso de outra forma, é a conversa, em 1963, entre PG Wodehouse com Alistair Cooke. Ambos brincavam, segundo revela o “Guardian” online, sobre o facto de uma nova teoria que dizia que a automação iria atirar muita gente para o desemprego e que por volta do ano 2000- data distante na altura - seriam precisos quatro empregados para cada pessoa que quisesse arranjar um emprego. Ou perceber que Raymond Chandler em 1958 foi dos entrevistados mais bêbados numa entrevista com Ian Fleming, o autor da saga de James Bond.
Uma das gravações mais impressionantes será a de Joe Orton. Uma semana antes de ser assassinado pela companheira Kenneth Halliwell explica que ganhou bem com “Loot”, a peça que escreveu, mas quer poupar o dinheiro. “Não serei novo para sempre, também não quero fazer nada de excepcional com ele, mas gostava de o deixar de parte para quando não estiver mais a escrever...possa viajar e fazer algo diferente”.
Em cerca de 214 minutos, a duração de cada colecção, o ouvinte tem assim o privilégio de ouvir a voz de alguns dos maiores escritores que ainda hoje, mais de meio século depois ainda fascinam com a sua escrita, os seus livros e peças. O preço das colecções podia ser “como um disco riscado” já que pela raridade da obra o preço a pagar pelo testemunho em voz real -e que para muitos farão as delicias como se de “música para os ouvidos” se tratasse – podia ser considerado exorbitante. Mas segundo o site da British Library o preço é consideravelmente acessível: £19.95, cerca de 25 euros por colecção.

No Público

Rare recordings of some of the 20th century's greatest writers are to be released for the first time.

Kommentare